Mamífero raro e ‘lindo’ encontrado na China

Do NatGeo- Por mais de 20 anos, o Pika-de-Ili (Ochotona iliensis), um tipo de minúsculo de mamífero montanhoso com um rosto de ursinho de pelúcia, havia escapado dos cientistas nas montanhas Tianshan, no noroeste da China.
As pessoas têm visto o bicho peludo apenas um punhado de vezes desde que foi descoberto por acaso em 1983. Na verdade, apenas 29 indivíduos vivos foram achados, e pouco se sabe sobre o comportamento do animal.
Agora, os pesquisadores o redescobriram.
Weidong Li, descobridor original desta espécie e um cientista do Instituto de Xinjiang de Ecologia e Geografia, havia reunido um grupo de voluntários nas montanhas Tianshan para uma pesquisa. Ao meio-dia, um dia, conforme eles estavam montando armadilhas fotográficas, a equipe viu o seu prêmio.
O pika curioso surgiu de uma lacuna na face do penhasco, e Li tirou algumas fotos (incluindo a acima).

 O animal descoberto em 1983 tinha cerca de 20 centímetros de comprimento, com orelhas grandes e várias pequenas manchas marrons em sua pele cinzenta. Li não estava familiarizado com a espécie, mas pegou um exemplar e o enviou para um cientista da Academia Chinesa de Ciências, que disse acreditar que o pika era uma espécie nova.
Embora Li não conseguisse encontrar mais pikas em uma segunda viagem para a área em Dezembro de 1983, uma terceira viagem, em 1985, foi mais bem sucedida, e exemplares adicionais permitiram que os pesquisadores da academia confirmassem que o pika era novo para a ciência.
A espécie vive em altas altitudes entre 2.800 a 4.100 metros ??? e subsiste principalmente de gramíneas, ervas e outras plantas da montanha.
Como outras criaturas montanhosas, o pika é sensível a mudanças em seu ambiente. Uma estimativa de 1990 colocou a sua população em cerca de 2.000 indivíduos, e acredita-se estar diminuindo, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).
O pastejo do gado e a poluição atmosférica provavelmente contribuíram para o declínio da espécie, que a IUCN lista como vulnerável à extinção.
Mesmo assim, não há esforços concertados em curso para ajudar a sua preservação. Li disse que espera mudar isso, e usar a redescoberta do animal para criar áreas de conservação. 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE