Macris quer ‘segurar’ qualidade em Viracopos

O consórcio Aeroportos Brasil confirmou na manhã desta quinta-feira (28) a devolução do Aeroporto Internacional de Viracopos durante audiência realizada na Comissão de Viação e Transportes, em Brasília. O debate foi proposto pelo deputado federal Vanderlei Macris, membro da Comissão e representante da RMC (Região metropolitana de Campinas), onde está instalado o aeroporto.
 “Propormos essa discussão devido a importância do impacto da iniciativa da devolução tanto para região tanto para o Brasil. De imediato, vamos montar grupo de trabalho para acompanhar o processo e para que tudo o que aqui foi tratado seja cumprido. O atendimento à população é nossa preocupação”, disse Macris. Segundo o Secretário de Coordenação de Projetos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo Federal, Tarcísio Gomes de Freitas, a mudança da concessionária não afetará a qualidade do serviço e o valor da tarifa para o usuário. O advogado do consórcio, Luiz Fernando Pereira, argumentou que a demanda registrada após ter assumido o terminal é o principal motivo da desistência. “Só se confirmou 40% da demanda projetada na licitação”, disse. Ainda segundo ele, a estimativa de passageiros em 2016 era de 18 milhões, mas só houveram 9,3 milhões de usuários. Já a quantidade de carga para o ano passado era estimada em 454 milhões de toneladas, no entanto o montante transportado foi de 162 milhões de toneladas. Com a baixa constatada, o advogado argumenta que o valor total da outorga ??? R$ 3,8 bilhões ??? é demasiado alto em relação ao que o consórcio conseguirá lucrar, causando grande prejuízo. Para o diretor do Departamento de Políticas Regulatórias da Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), Rogério Teixeira Coimbra, ainda que a crise econômica que passa o País tenha diminuído a utilização do terminal, a “redução de demanda não é risco do poder público”, é risco do concessionário, não cabendo questionamentos e negociações com o governo. O secretário do PPI, Tarcísio de Freitas, disse que o processo de saída do consórcio de Viracopos será de 12 a 18 meses. Até a nova relicitação, o Aeroportos Brasil deve, por contrato, dar continuidade na atuação, mantendo a mesma qualidade. Após a escolha da nova concessionária, nada deverá ser alterado para a população. “O usuário não vai perceber mudança no serviço e na tarifa”, afirmou. Também participaram a audiência o presidente e o conselheiro administrativo da Aeroportos Brasil Viracopos, Gustavo Müssnich e Luis Kuster, e o secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Social e Turismo da prefeitura de Campinas (SP), André Luiz de Camargo Von Zuben.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE