Macris cobra ministro por desoneração dos Têxteis

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, assegurou na tarde desta quarta-feira (9) que o setor Têxtil e da Confecção está atendido com menor taxação no Projeto de Lei da Reoneração da Folha de Pagamentos (PL 8456/17). A informação foi dada ao deputado Federal Vanderlei Macris (PSDB-SP), líder da Frente Parlamentar Mista José Alencar pelo Desenvolvimento da Indústria Têxtil e da Confecção, que esteve em reunião na sede da pasta, em Brasília (DF).
Macris, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (Abit), Fernando Pimentel, e o senador Dalírio Beber (PSDB-SC), líder da frente no Senado, estiveram em reunião com Guardia, com o subsecretário de Integração Regional e Comércio Exterior do ministério, Fernando Alcaraz, e com o secretário-adjunto da Receita Federal, Paulo Ricardo de Souza Cardoso, para debater os problemas enfrentados pela indústria. O deputado destacou ser preciso “calibrar” a taxação de impostos, de modo que não resulte em desemprego e fechamento de portas. “Não dá para onerar mais este setor industrial”, argumentou ponderando que a importação de produtos asiáticos tem aumentado a cada dia, diminuindo consideravelmente e competitividade.
A manutenção da desoneração já havia sido garantida pelo relator da proposta, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), mas, segundo Macris, o governo federal insistia na reoneração. “A fala do ministro é uma manifestação importante de que temos o comprometimento de defesa tanto da indústria têxtil, quanto da confecção”, disse. Para ele, é fundamental que os dois elos da cadeia produtiva sejam contemplados.
O ministro disse entender a situação, mas que o governo precisa ajustar a economia. Assim, nos próximos dias dois projetos de lei serão enviados ao Congresso Nacional. A primeira proposta será a de reforma do PIS/Cofins, na sequência a de modificação do ICMS.
Guardia disse entender que os projetos são polêmicos, mas cabe aos deputados e senadores debater e alcançar um consenso que não prejudique a indústria, sobretudo o país.
O governo também está trabalhando em medidas para a abertura comercial. Para o ministro, a abertura precisa ser parte de um planejamento para evidenciar o Brasil no mercado mundial. “A gente precisa ter um país mais inserido, que exporte mais e importe mais”, considerou.
Assim que o Congresso receber os projetos do governo federal, a frente parlamentar se reunirá para debater as propostas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE