Luta Antimanicomial tem palestra na Câmara

Comemorado no dia 18 de maio, o Dia da Luta Antimanicomial no Brasil foi tema de palestra na manhã de hoje (18) no plenarinho da Câmara Municipal de Americana. O evento teve a participação de aproximadamente 50 pessoas, entre usuários da rede de saúde mental, familiares, amigos e servidores municipais. O médico psiquiatra, Aloisio Braz de Lemos, foi quem explanou o assunto aos presentes.

A luta antimanicomial é um marco na saúde, pois foi através dela que o Brasil transformou radicalmente a forma de assistência aos portadores de transtornos mentais e sofrimentos psíquicos, os quais eram mantidos nos manicômios em completo isolamento. E não são poucas as histórias de pessoas que perderam algum ente querido, vítima de maus-tratos nessas instituições. Os manicômios se constituíram num antro de confinamento, isolamento, tortura e morte para milhares de doentes mentais, que não tiveram alternativa ao modelo de internação de longa permanência durante o século passado. Hoje essa prática não acontece mais por aqui, e o termo hospício agora serve apenas como referência para explicar, sem justificar, como um direito humano fundamental pôde ser por tanto tempo encarcerado sob a égide da razão, num processo obscuro de medo, exclusão e segregação de pessoas que, ao invés da cura recebiam uma condenação, na maioria das vezes, perpétua.
Por meio de um movimento para a reforma do sistema psiquiátrico brasileiro, no final da década de 1970, foi possível mudar a visão que se tinha dos portadores de doenças mentais perante a sociedade e assim, gradativamente os manicômios foram fechados, dando espaço para uma nova abordagem no tratamento, com a instituição dos CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) e no fortalecimento de uma política pública de saúde mental em todo o país.
Para o coordenador da rede de saúde mental de Americana, Tadeu Donizeti Leite, a data marca a mudança na forma de olhar e tratar os transtornos mentais, sendo que a palestra serviu para esclarecer o processo histórico da reforma psiquiátrica no país. “Esse evento serviu para uma reflexão e compreensão do processo histórico e do momento atual da reforma psiquiátrica, que acaba contribuindo para melhorar as nossas práticas no atendimento aos pacientes”, disse. Em Americana a rede de saúde mental está estruturada em três CAPS, cujo tratamento ambulatorial é ofertado por equipe multidisciplinar em cada uma das unidades. O CAPS-AD (Álcool e Droga) presta assistência para cerca de 100 usuários a cada mês, com um volume de 350 procedimentos realizados. O CAPS Infantil atende aproximadamente 90 pacientes ao mês e realiza em torno de 350 procedimentos, já o CAPS adulto promove ao menos 500 procedimentos e atende aproximadamente 160 pacientes por mês. Os CAPSs recebem os pacientes por demanda espontânea, mas também são referenciados pelas outras unidades básicas de saúde do município.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE