Liminar garante reajuste menor no aluguel da Câmara de Nova Odessa

A Câmara de Nova Odessa conseguiu liminar que garante um índice menor para o reajuste do aluguel de um dos prédios que ocupa. Com a decisão, o aluguel passa a ter o reajuste de 4,56%, calculado pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e não de 25,7%, como aconteceria com o reajuste pelo IGPM (Índice Geral de Preços de Mercado). Os índices são referentes ao acumulado em fevereiro de 2021, quando os aluguéis foram reajustados.

A mudança do índice foi solicitada por meio de ação judicial porque não houve acordo extrajudicial entre a Câmara e os proprietários dos imóveis. Em fevereiro, somados os dois imóveis, o aluguel pago pela Câmara passou de R$ 20.357 para R$ 25.591.

A liminar foi concedida pela juíza Michelli Vieira do Lago Ruesta Changman, juíza da 2ª Vara Judicial de Nova Odessa. A Câmara solicitou a mudança do índice com o objetivo de reequilibrar o contrato diante do momento de crise econômica decorrente da pandemia de Covid-19.

“A continuidade do contrato regido pelo IGP-M representa e representará, ao que parece, prejuízo aos cofres públicos uma vez que se está pagando muito além do contratado. Além disso, inviável para o momento se imaginar que bastaria à Câmara Municipal de Nova Odessa a desocupação do imóvel, quando é certo que o Poder Legislativo necessita de um imóvel que esteja adaptado aos serviços que presta, adaptações essas muito específicas, e considerado o porte do Município de Nova Odessa, não seria tão fácil encontrar outro local em curto espaço de tempo”, justificou a juíza na decisão.

Equilíbrio

O presidente da Câmara de Nova Odessa, Elvis Ricardo Maurício Garcia, o Pelé (PSDB), destacou que a intenção, ao buscar a mudança no índice, é manter o equilíbrio das finanças públicas. “Estamos vivendo um momento atípico, com todos os recursos possíveis sendo destinados ao combate à pandemia. Não é justo, neste momento, um aumento de 25% no valor do aluguel pago com recursos públicos”, explicou. “Aqui estamos fazendo um trabalho sério, honesto e de muita responsabilidade”, completou durante a sessão desta segunda-feira, 17/05, ao abordar o assunto.

A liminar refere-se ao contrato do prédio na Rua Carlos Botelho, locado desde 2003, que abriga a recepção da Casa e o gabinete dos vereadores. Neste caso, o aluguel até fevereiro era de R$ 12,3 mil e passou para R$ 15,5 mil com o aumento do aluguel pelo IGPM. Com a liminar, até o julgamento do mérito, o índice aplicado ao reajuste deve ser o IPCA e, neste caso, a Câmara passa a pagar cerca de R$ 12,9 mil a partir do mês de junho.

Em relação ao outro imóvel, situado na Rua Pedro Bassora, o aluguel passou de R$ 7,9 mil para R$ 10 mil em fevereiro. Neste caso, a Câmara aguarda julgamento de recurso interposto junto ao Judiciário em ação em que também solicita substituição do índice utilizado, como foi feito no primeiro contrato. 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE