Libido Feminina

A mulher é complexa e, em todas as fases da sua vida, o corpo e mente reagem de formas distintas. Não deixa de ser diferente com a libido, que pode flutuar constantemente ao longo dos anos, o que é perfeitamente normal e aceitável.

Caso esteja passando por alguma dificuldade no âmbito sexual, você não está sozinha. Uma grande parcela da população feminina (1) relata preocupação com essas questões.
A disfunção sexual feminina ocorre quando uma questão de cunho sexual causa sofrimento pessoal. A palavra-chave é sofrimento. Caso não haja incômodo com a situação, não há problema a ser resolvido. A disfunção pode aparecer de diversas formas, incluindo diminuição do desejo sexual, alteração da excitação, inabilidade de atingir o orgasmo ou dor durante o ato sexual (2).
A descrição tradicional do ciclo de resposta sexual é dividida em 4 fases: desejo, estimulação/ excitação, orgasmo e resolução. No entanto este modelo não pode ser aplicado consistentemente para as mulheres. Para muitas, estas fases variam, se repetem, se interconectam ou podem estar (algumas) ausentes durante o ato sexual. Importante frisar que a satisfação com a experiência sexual não precisa atingir todas as fases de resolução, incluindo o orgasmo.
Mulheres em relacionamento longo podem não apresentar desejo anteriormente ao ato, com o início da atividade sexual experimentam excitação e prazer. Outro aspecto importante é que a libido pode estar relacionada a outros fatores além do sexo, como vontade de intimidade emocional ou fortalecimento da relação com o parceiro (3).
Descontentamento de cunho sexual acomete cerca de 40% da população feminina globalmente (4). As queixas mais comuns consistem na diminuição do desejo e inabilidade de atingir o orgasmo. As causas da diminuição da libido são multifatoriais e dependem da fase de vida da mulher.
Como podemos perceber a libido feminina pode ser um emaranhado de complexidades. ?? importante sempre procurar auxílio médico e psicológico quando existir um fator que cause sofrimento para a mulher. Identificar e tratar o problema pode ser mais fácil do que você imagina.
Adriana Pessoa é graduada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e possui Residência em Clínica Médica e Endocrinologia pela mesma instituição. ?? Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Associação Médica Brasileira. Contato: [email protected]
Referências
1.Sexual problems and distress in United States women: prevalence and correlates.
2.Female Sexual Dysfunction: Physiology, Epidemiology, Classification, Evaluation and Treatment
Has testosterone passed the test in premenopausal women with low libido? A systematic reviewSexual problems among women and men aged 40-80 y: prevalence and correlates identified in the Global Study of Sexual Attitudes and Behaviors.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE