Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor em 2020

Passará a vigorar em agosto de 2020 a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que estabelece regras para as empresas quanto a coleta, o tratamento, armazenamento e compartilhamento de dados pessoais.

A lei N° 13.709 foi sancionada em 2018 e estipulou um prazo de 18 meses para as empresas se adequarem. Um dos pontos da nova legislação é a proibição da coleta e do uso dos dados pessoais sem permissão. Além disso, é possível revogar uma eventual permissão e até mesmo solicitar informações sobre como os dados estão sendo utilizados e para quê. As multas para as empresas que não cumprirem o regulamento podem chegar a 2% do último faturamento.

A ROIT Consultoria e Contabilidade é uma das empresas que já está preocupada em se enquadrar às novas normas. Prova disso, é que já investiu R$ 500 mil na implantação de softwares e contratação de consultorias especializadas, que visam deixar todos os processos e tecnologias compliance com a lei.

???Estamos investindo pesado para nos adequarmos antes do início de vigência da lei, preocupados com a segurança máxima das informações e dos nossos softwares. Contratamos um escritório jurídico especializado, compramos softwares profissionais de segurança e contratamos uma empresa de cibercrimes também, a Conviso???, relata Lucas Ribeiro, sócio-diretor da ROIT.
Paulo Ribeiro, CEO da FastHelp ??? empresa que oferece soluções na área de Segurança da Informação e Infraestrutura de Rede e Telecomunicações e que participou desse processo de adequação da ROIT às normas da LGPD ??? falou sobre a importância da nova lei: ???A LGPD vem para regulamentar as atividades de todas as organizações, públicas ou privadas, que tratam de dados pessoais de usuários coletados em meios físicos ou digitais. A intenção da lei é garantir ao usuário mais privacidade e controle sobre seus dados, a fim de evitar mau uso por parte de terceiros???.

O especialista falou também sobre as soluções de Firewall e DLP disponibilizadas para a ROIT: ????? possível definir o firewall como uma porta de entrada e saída entre uma rede de computadores e a internet. Ele funciona como uma espécie de ???catraca??? que controla os acessos e permite que apenas os usuários e aplicações autorizadas possam se comunicar entre si, mediando a troca de dados entre uma rede externa (internet) e uma rede interna (no caso, a rede de computadores da ROIT)???.

???Com o DLP (Data Loss Prevention) é possível monitorar e bloquear o compartilhamento de arquivos, realizar o controle de impressão e ter total rastreabilidade dos arquivos???, garante Paulo Ribeiro.

Outra medida importante adotada pela ROIT foi a contratação dos serviços da Conviso, empresa especializada em segurança de aplicações e crimes cibernéticos.

???A Conviso está cuidando da segurança do aplicativos e consequentemente protegendo os dados dos clientes. ?? um processo contínuo, pois revisamos a segurança do código que eles desenvolvem. Não é uma iniciativa isolada, mas sim um acompanhamento constante???, afirma Wagner Elias, CEO da Conviso.

Lucas Ribeiro lembra o caso de vazamento de dados envolvendo o Facebook e a Cambridge Analytica: em março de 2018, informações dos perfis de 87 milhões de pessoas, de diversos países, foram compartilhados sem permissão e usados indevidamente. Desses, mais de 443 mil eram de usuários brasileiros. E, três meses depois, houve um outro vazamento também envolvendo essa rede social e o NameTests, site especializado em testes online: dessa vez foram 120 milhões de usuários que tiveram suas informações pessoais em risco.

???Por isso essas ações são de extrema importância e visam a eliminação total dos riscos de vazamento de informações e proteção máxima dos dados dos nossos clientes???, declara Lucas Ribeiro.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE