Justiça reverte mudança no plano médico da Ocrim

A Justiça deu ganho de causa a uma ação do Stial (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Limeira e Região), e reverteu alteração promovida pela empresa Ocrim Produtos Alimentícios, de Nova Odessa-SP, no plano médico dos empregados. Em 2015, sem qualquer negociação, a Ocrim passou a cobrar dos trabalhadores o pagamento de consultas e exames ??? anteriormente, o plano médico era gratuito.

A questão chegou ao STF (Supremo Tribunal Federal), que confirmou decisão da juíza Ana Paula Alvarenga Martins, da 1º Vara Trabalhista de Americana. Agora, a Ocrim fica obrigada a retornar ao sistema anterior, devendo reembolsar os trabalhadores pelos valores pagos durante este período.

“Implantaram a cobrança de forma abrupta, sem qualquer negociação com os trabalhadores, num desrespeito brutal à categoria. Estivemos sempre dispostos ao diálogo, mas não podemos aceitar que a empresa prejudique os companheiros, num benefício conquistado com muita luta, e tão importante como é o plano médico”, comentou o presidente do Stial, Artur Bueno Júnior.

Na ação, a advogada do sindicato, Yoko Taira, menciona a violação ao artigo 468 da CLT, e às normas coletivas de trabalho. “A empresa nunca poderia alterar o plano de saúde, para um modelo que fosse prejudicial para os empregados”, apontou.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE