Itau acusado de racismo no Rio

Lorena Vieira, esposa do cantor Rennan da Penha, relatou que funcionários do banco Itaú consideraram suas movimentações suspeitas e chamaram a polícia. O Itaú disse que ‘o procedimento adotado é padrão’ e ‘não tem qualquer relação com questões de raça ou gênero’

De acordo com Lorena, funcionários da agência do banco na Penha, zona norte do Rio de Janeiro, tomaram a atitude. A jovem conta que foi levada pela Polícia Civil a uma delegacia. ‘Não é porque eu sou preta e humilde que eu sou criminosa’, Tweetou. Em resposta, o Itaú disse lamentar pelos transtornos, mas afirmou que esse é um procedimento ‘padrão em casos de suspeita de fraude e não tem qualquer relação com questões de raça’.

Segue nota do banco Itau:
O Itaú Unibanco lamenta e se desculpa pelos transtornos causados a Lorenna Vieira nesta quinta-feira, no Rio de Janeiro, e já entrou em contato com ela para resolver a situação. O Itaú Unibanco esclarece que o procedimento adotado na agência é padrão em casos de suspeita de fraude, e não tem qualquer relação com questões de raça ou gênero. O objetivo era proteger os recursos de Lorenna de possível fraude, uma vez que já havia um bloqueio preventivo de sua conta corrente e era difícil identificá-la com o documento apresentado no caixa. O Itaú Unibanco acredita que toda forma de discriminação racial deve ser combatida

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE