Inseminação artificial ou fertilização in vitro: qual o mais indicado?

Para muitos casais, ter um filho é um sonho difícil de ser alcançado. São diversos fatores que podem afetar a fertilidade feminina e masculina, como idade acima dos 35 anos, doenças que atingem o aparelho reprodutor, problemas hormonais, obesidade e tabagismo. No entanto, há uma alternativa que pode ser uma grande aliada do casal nessas horas: o tratamento de reprodução assistida, realizado a partir da inseminação artificial (IA) ou fertilização in vitro (FIV). Mas, afinal, qual é a diferença entre esses procedimentos?

Inseminação artificial

A inseminação artificial, também conhecida como inseminação intrauterina (IIU), é um tratamento considerado de baixa complexidade, que apresenta uma taxa de gravidez de aproximadamente 18% por ciclo. De acordo com a ginecologista e especialista em reprodução humana Adriana de Góes, o procedimento é recomendado nos casos de alterações espermáticas leves, onde muitos espermatozóides não conseguem alcançar os óvulos. Então, são transferidos diretamente para a cavidade uterina durante o período fértil, aumentando as chances de gravidez.

“Caso não ocorra a gravidez após três processos de tratamento de inseminação intrauterina é porque existe algum outro fator não identificado pelos exames realizados e não devemos insistir. Nesse caso, indicamos a fertilização in vitro, que aumenta as chances de gravidez para cerca de 40%  ”, afirma.

Fertilização in vitro

A fertilização in vitro é uma técnica de alta complexidade, que envolve várias etapas clínicas e laboratoriais. É considerado o mais completo tratamento de reprodução assistida e apresenta uma taxa de sucesso em torno de 40%. A técnica é recomendada para uma série de problemas femininos ou masculinos que impossibilitam a fertilização natural, como laqueadura, vasectomia, endometriose com comprometimentos das tubas uterinas, alterações da qualidade seminal mais significativa, entre outras.

“Na inseminação, eu apenas transfiro o espermatozóide e ele, por si só, vai tentar encontrar o óvulo na tuba uterina. Na fertilização in vitro, eu vou transferir o embrião pronto. O que determina a fertilização in vitro é que o processo de encontro do espermatozóide com o óvulo acontece in vitro, no laboratório”, explica a doutora sobre o que diferencia os dois procedimentos.

Quando procurar um tratamento de reprodução assistida?

Para as mulheres acima de 35 anos, o recomendado é esperar no máximo 6 meses desde o início da tentativa de engravidar para procurar um especialista em reprodução assistida. Aquelas com idade inferior a 35 anos, e sem nenhum diagnóstico de doença que possa causar infertilidade, a recomendação é aguardar o período de 1 ano.

Para determinar qual o tratamento mais adequado ao paciente, é necessário realizar uma avaliação médica com um especialista em reprodução humana. A Dra. Adriana afirma que é importante investigar o casal e não apenas a mulher. “Existem os fatores masculinos e femininos. Se, por exemplo, a mulher tem 38 anos e está com dificuldade de engravidar não significa que é dela exatamente o problema da fertilidade. Pode coexistir também um fator masculino com uma alteração da qualidade seminal. É após essa investigação do casal que podemos definir o tratamento de inseminação ou fertilização”, conclui.

Sobre a Adriana de Góes 

Formada em medicina pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, a Dra. Adriana de Góes é referência em reprodução humana e especialista em fertilização in vitro, inseminação artificial e trombofilias. Mestre em Ginecologia Obstetrícia e Doutora na área de Tocoginecologia, pela Unicamp, a profissional tem cursos e experiência internacional, inclusive na IVI Foundation and IVI Clinic, em Valência, na Espanha. Além disso, faz parte da Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, da Sociedade Americana de Imunologia da Reprodução e da Sociedade Americana e Europeia de Reprodução Assistida. É autora de quatro livros sobre o tema, com o mais recente, Infertilidade e Gravidez – tudo o que você precisa saber sobre reprodução humana assistida, tendo sido lançado em agosto deste ano.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE