Impeachment. Agora Trump fala em ‘golpe’

da DWPT- Um dia antes da esperada votação de seu impeachment na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, o presidente Donald Trump acusou nesta terça-feira (17/12) os democratas de conduzirem uma “tentativa partidária e ilegal de golpe” e de declararem guerra contra a democracia americana ao buscar demovê-lo do cargo por ter pressionado a Ucrânia a investigar um rival político.
Os comentários de Trump vieram em uma carta assinada por ele e enviada à presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi. O documento veio á público enquanto os parlamentares da Casa se reuniam para estabelecer as regras do debate antes da votação planejada para a quarta-feira de dois artigos de impeachment contra Trump.
“Isso nada mais é que uma tentativa partidária, ilegal de golpe e que irá, baseada nos sentimentos recentes, fracassar nas urnas de votação”, afirma Trump na carta, fazendo referência às eleições presidenciais de 2020, nas quais ele pretende tentar a reeleição.
A Constituição americana garante à Câmara o poder de indiciar o presidente por “crimes graves e contravenções”, como parte do sistema de freios e contrapesos entre Executivo, Legislativo e braços do Judiciário no governo federal.
A expectativa é que a Câmara de Representantes, controlada pelos democratas, aprove a sequência do impeachment do presidente americano de abuso de poder e de obstrução do Congresso por suas negociações com a Ucrânia. Por outro lado, no Senado, dominado pelos republicanos, o caso tem poucas chances de prosperar.  Pelas regras americanas, o presidente não é afastado do cargo antes da decisão final dos senadores.
“Ao proceder com seu impeachment inválido, vocês estão violando os juramentos de seus cargos, rompendo a fidelidade à Constituição, e declarando guerra aberta à Democracia Americana”, acrescentou Trump.
Os democratas da Câmara acusam Trump de abuso de poder ao pressionar o governo da Ucrânia a investigar Joe Biden, ex-vice-presidente americano e um dos principais pré-candidatos democratas para as eleições presidenciais de 2020. Trump também é acusado de tentar obstruir uma investigação parlamentar sobre o assunto.
“Vejam, isso é uma farsa total, desde o começo”, disse Trump a jornalistas na Casa Branca pouco depois da publicação de sua carta.
O processo de impeachment começou em setembro, quando uma denúncia revelou aos serviços de inteligência do país o conteúdo de uma ligação entre Trump e o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski.
Nos últimos meses, seis comitês da Câmara de Representantes realizaram uma investigação para determinar se era possível abrir um processo de impeachment contra o presidente. Testemunhas foram ouvidas em reuniões fechadas e também publicamente.
Ontem, o Comitê de Justiça publicou os detalhes do caso em um documento de 658 páginas. Nele, órgão conclui que Trump traiu o país em busca de benefícios pessoais.
Já no Senado, o líder da maioria, o republicano Mitch McConnell, rejeitou um pedido dos democratas para convocar quatro funcionários e ex-funcionários da Casa Branca como testemunhas no julgamento do impeachment no Senado, esperado para o mês que vem, em mais um sinal claro de que ele espera que os senadores não aprovem o impeachment de Trump.
Em discursos contrastantes no plenário do Senado, McConnell disse que não permitirá depoimentos sem foco, enquanto o líder dos democratas no Senado, Chuck Schumer, disse que um julgamento sem as testemunhas seria uma “farsa” e sugeriu que os colegas republicanos de Trump preferem acobertar as acusações.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE