Golpes virtuais cresceram 70% na pandemia

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) durante a pandemia houve um aumento de 70% em golpes virtuais, principalmente em tentativas de e-mails com vírus e links que levam a sites falsos (phishing) para obter informações como senhas, números de cartões de crédito, informações pessoais e outros dados.

”O isolamento social proporcionou mudanças na vida de muitas pessoas, como por exemplo, a adoção do modelo home-office e o aumento das compras on-line, facilitando a ação de hackers. Para não ser vítima desse tipo de ação, é necessário observar uma série de práticas e desenvolver hábitos de segurança”, pontua Ricardo Mesquita, especialista em proteção de dados e gerente de TI da Howden Harmonia Corretora de Seguros.

Em 2020 houve uma série de vazamentos de dados pessoais por empresas e até mesmo pelo Governo, como a falha do sistema de dados do Ministério da saúde, que expôs informações de  milhões de brasileiros no internet, incluindo pessoas que já morreram. Outro caso de vazamento de dados bastante recente ocorreu em 19 de janeiro, quando foi anunciado que mais de 200 milhões de brasileiros – inclusive mortos também – tiveram dados vazados, como nome, endereço, registros de automóvel, score (análise de crédito individual), declarações de imposto de renda e salário, que foram parar em fóruns na chamada dark web.

Outra ferramenta que mudou a política de privacidade favorecendo o aumento de golpes é o whatsapp. Em 2016, o aplicativo passou a compartilhar informações dos usuários com o Facebook, do mesmo grupo econômico e também proprietário da ferramenta. Uma nova mudança nos termos veio e, a partir do dia 15 de maio, o aplicativo passará a compartilhar dados também com os parceiros do Facebook, provocando reações não só entre os usuários, mas também entre autoridades de proteção de dados e entidades europeias.

O especialista reforça que “as informações compartilhadas abrem uma brecha enorme para que golpes aconteçam, já que é possível ter acesso ao tipo de aparelho móvel, ao número de telefone registrado na conta, às informações sobre como o usuário interage com outras pessoas e empresas e até o endereço IP, que é uma identificação única para cada computador conectado a uma rede, como um ‘CPF’ digital”.

Uma das medidas que poderá minimizar os vazamentos de dados e, por consequência, a variedade de golpes, é a implementação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). A lei conferirá mais credibilidade ao compartilhamento de dados pessoais por parte das empresas e de toda a cadeia de fornecedores que usa esses dados, como acontece nas Corretoras de Seguros e Seguradoras, por exemplo. “A LGPD é um marco regulatório aplicável ao tratamento de dados pessoais por empresas privadas, órgãos públicos e pessoas físicas. Uma vez que corretoras de seguros dependem da coleta e tratamento de informações para oferecer produtos e serviços a seus clientes, a efetivação de políticas e boas práticas alinhadas à nova legislação é fundamental para evitar litígios que envolvam os segurados”, finaliza Mesquita.

 

Dicas para não cair em ciladas:

Ricardo Mesquita sugere ações que podem prevenir golpes virtuais no dia a dia, principalmente nesse momento de pandemia, como:

 

  • Não abrir links desconhecidos enviados por SMS, Whatsapp, e-mail ou mensagem em mídias sociais, mesmo que o remetente seja alguém conhecido.

 

  • Não fornecer, em hipótese alguma, informações pessoais em sites ou aplicativos estranhos.

 

  • Trocar as senhas periodicamente, de preferência a cada três meses. Evite referências óbvias, como data de nascimento ou número de telefone.

 

  • Atualizar sempre os sistemas operacionais – o mesmo vale para firewalls e antivírus.

 

  • Verificar sempre o remetente ao receber e-mails, mesmo os enviados por alguém conhecido. Todos devem ser vistos com cautela, principalmente quando o campo “Assunto” tiver um tema polêmico ou apelativo.

 

 

Sobre Ricardo Mesquita:

Ricardo Mesquita é gerente de TI, especialista em segurança da informação, infraestrutura de redes e proteção de dados pessoais. É tecnólogo em processamentos de dados pelo Colégio Pentágono e bacharel em administração de empresas pela Universidade Metodista de São Paulo. É Certificado em Data Professional Officer, gestão de segurança de rede, ITILv2 , PCI e System Engineer pela Microsoft. Mesquita atua no mercado de tecnologia há mais de 30 anos, tendo em seu histórico profissional passagens por empresas como Volkswagen do Brasil, Microsoft, Telemar, SAP, Banco Itaú, nas áreas de TI, Negócios, Estratégia e Operações de Risco envolvendo Sistemas Críticos.

 

HOWDEN HARMONIA CORRETORA DE SEGUROS

A Howden Harmonia nasceu da fusão entre o Grupo Howden, maior grupo de corretores independentes do mundo, e a Harmonia Corretora de Seguros, que há 40 anos no mercado brasileiro foi pioneira na prestação de serviços de consultoria e administração de riscos. Hoje, a Howden Harmonia é uma das 5 maiores corretoras do país e conta com presença em São Paulo, Campinas, Poços de Caldas e Blumenau. Sua atuação é focada nas áreas de Grandes Riscos e Gestão de Benefícios, mantendo parcerias com as principais seguradoras e operadoras do mercado para garantir o melhor atendimento aos seus clientes, nacionais e multinacionais.

 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE