Golpe militar de 1964: Lembrar sempre, repetir jamais

Neste 31 de março, completa-se mais um aniversário do golpe militar de 1964, quando o Brasil foi jogado num de seus mais sombrios períodos da história. É importante não esquecer as muitas atrocidades e atos contra a democracia que o país viveu durante longos 21 anos.

É inadmissível que setores da sociedade, do governo federal e instituições públicas celebrem o golpe militar, desprezando os princípios e valores consagrados na Constituição de 1988, incluindo compromissos inequívocos com a democracia, os direitos humanos, a proteção da vida, a justiça e a equidade social.

Esta data deve ser um momento de homenagem aos mortos e desaparecidos políticos, de lembrança dos crimes e injustiças do passado, do autoritarismo e das muitas barbáries cometidas. É o momento de cultivar a memória para que a sociedade colha o aprendizado e jamais repita tamanha brutalidade; para que a tortura, a censura e a arbitrariedade nunca mais sejam uma política de Estado.

Mas também é preciso trazer à memória um importante elemento que marcou a ditadura militar no Brasil: o outro lado do chamado “milagre econômico”. É verdade que naquele período o país viveu um grande crescimento econômico. Porém, esse crescimento não foi o mesmo para todos e todas. Os governos militares foram marcados pela redução do valor real do salário-mínimo, comparado com o período anterior, pelo achamento de salários de trabalhadores na base da pirâmide e pela falta de investimentos sociais, especialmente em educação e saúde, que buscassem atender ao conjunto da população.

O Brasil vive hoje múltiplas crises: a pandemia de covid-19, o desemprego, a escalada da fome e da pobreza, a recessão econômica, a negação da ciência e um desgoverno que além de não articular respostas para aliviar as muitas tragédias que pesam sobre a população, contribui para que elas aumentem.

Além disso, o Brasil vive o desafio de ter se acomodado com uma democracia que permite a exclusão da maioria de sua população. Uma democracia que não respeita os preceitos da nossa Constituição Cidadã; uma democracia baseada em estruturas racistas e patriarcais que alimentam e aprofundam as desigualdades gritantes no país.

Neste 31 de março de 2021, a Oxfam Brasil reafirma seu compromisso com a democracia, com a justiça, com os direitos humanos, com a diversidade. E reafirma também seu compromisso com a luta contra as desigualdades e todo e qualquer retrocesso – político, econômico, social, ambiental e cultural.

Defendemos valores democráticos que enfrentem o racismo, que dê comida a quem tem fome, que garanta direitos constitucionais de todas e todos, que respeite a diversidade. Sem o respeito à democracia, ao Estado de Direito, às instituições e aos entes federativos, não vamos conseguir superar os desafios que temos pela frente. Saudamos a democracia brasileira e nos juntamos a todas e todos que querem aprofundá-la e defendê-la contra arroubos autoritários, bárbaros e negacionistas. É preciso lembrar sempre do passado para jamais repetir os erros no presente.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE