Garota fantasma assusta no twitter

O investigador paranormal Lee Brickley deu início à investigação do espectro de uma criança que não tem olhos em Cannock Chase, em Staffordshire, Inglaterra, após relatos de que o fantasma teria regressado 30 anos após sua ultima aparição, segundo o Daily Mirror e o Huffington Post.
De acordo com as últimas descrições feitas da menina, as órbitas dos seus olhos são negros como minas de carvão, exatamente como foram detalhados na década de 1980.
Brickley, autor de vários livros sobre a temática paranormal, recebeu o último relato há duas semanas. Nele, um homem contou que estava caminhando com a esposa e o cão em Cannock Chase quando ouviu a risada de uma menina. Foi então que uma garotinha que não tinha olhos apareceu na frente do casal. Sua cabeça estava inclinada para o lado, como se ela tivesse sido enforcada. A criança ficou parada diante deles por cerca de cinco minutos até desaparecer entre as ávores.
Uma mulher que usou o pseudônimo Kelly para narrar sua experiência disse que seu encontro com a menina aconteceu em julho de 2013. Kelly também estava caminhando com a filha em Birches Valley quando as duas ouviram os gritos de uma criança. A dupla correu em direção ao barulho e quando parou para recuperar o fôlego se deparou com o fantasma, uma menina de mais ou menos 10 anos, com as mãos deitadas sobre os olhos. Kelly perguntava se a criança estava bem quando foi surpreendida por seus olhos negros e fundos. Ela deu um pulo e pegou a filha no colo. Quando olhou novamente na direção da assombração, o espectro havia ido embora.
Em entrevista ao jornal Huffington Post, o investigador Brickley contou que a menina com os olhos negros “parece ser algum tipo de demônio”. “Embora possa parecer um encontro espectral padrão, quase todos os relatos apontam a criança levando as pessoas para situações potencialmente perigosas”, explica.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE