Futebol 2021: palpites para o G4 em cenário pandêmico

A pandemia do novo coronavírus ainda está batendo recordes de contaminados e  mortos no Brasil e no mundo. Em entrevista ao Sites de Apostas, Jakson Follmann, ex-goleiro da Chapecoense, comentou que para ele, ainda é preciso ter cautela para voltar a ter estádios cheios no país. ”O futebol no Brasil ainda sofrerá mudanças este ano. Precisamos estar todos vacinados para poder voltar a ter torcidas, calendários mais extensos e altas transferências no futebol. Até o momento, muitas pessoas estão morrendo.”

Palpites para o Brasileirão 2021

As 5 primeiras rodadas do Brasileirão são essenciais para saber quais possíveis equipes chegam ao G4 e quais ficarão no Z4. Além disso, essa fase serve de base para análise do nível de competitividade da série A, para prever se será como a competição do ano passado, decidida na última rodada entre Flamengo, Internacional e Atlético-Mineiro, ou se o primeiro colocado já poderá ser considerado ganhador ainda na metade da competição, como foi em 2019 para o Flamengo.

Follmann não arrisca prever que os times que acabaram de subir para série A serão rebaixados. “Muitos formadores de opinião colocam os novatos da série A como favoritos ao Z4, mas temos muitos exemplos de equipes que eram candidatas a serem rebaixadas no começo da competição e se desenvolvem no decorrer do campeonato”, disse ele. A própria queda para série B de equipes com forte tradição, como o Cruzeiro em 2019, mostram que o futebol é surpreendente.

Por outro lado, para favoritos ao G4, o ex-goleiro da Chapecoense prevê:

  • Flamengo
  • São Paulo
  • Palmeiras
  • Grêmio

Copa do Brasil 

Estamos na terceira fase da Copa do Brasil, com times disputando vagas para as oitavas de final, e um deles é a Chape, que se classificou por ter ganhado a série B. Jakson Follmann acredita que a Chapecoense pode se classificar na Copa do Brasil e investir  o prêmio de classificação nas oitavas para seu crescimento. “A Chape sempre se mostrou muito forte em todos os campeonatos que disputou. Mas, com essa possível classificação e R$ 2,7 milhões de prêmio, ela precisará administrar a competição com cuidado, afirma o jogador”

Não será fácil ter uma temporada de sucesso na série A em 2021. Os diversos compromissos financeiros a serem negociados e a falta de apoio da torcida, que ainda não é permitida nesse momento de crise do vírus da Covid-19, impactam o desenvolvimento dos times.

Enquanto a maioria das equipes com histórico de série A e com orçamentos maiores têm experiência em administrar mais de uma competição ao mesmo tempo, podendo estar até em quatro, como a Libertadores, Copa do Brasil, Copa Sulamericana e Brasileirão. Já os times que são novatos na primeira divisão têm uma dificuldade extra.

Após rebaixados para a série B, os times sofrem com as perdas orçamentárias, que impactam diretamente nos resultados, sem contar a pressão psicológica e maior desgaste físico dos jogadores que não estão adaptados com as competições simultâneas. “A Chapecoense precisa ter muita inteligência em relação a seus compromissos para não sofrer ainda mais no final do Brasileirão como acontece com muitos clubes quando acabam de subir”, comenta Follmann.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE