Funcionário que recusar a tomar vacina pode ser dispensado

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT), da 2ª região, confirmou a decisão de 1ª instância que reconheceu a dispensa por justa causa de uma auxiliar de limpeza de um hospital infantil que se recusou, por duas vezes, a tomar a vacina contra a COVID-19.

A decisão está balizada no entendimento do STF, que considerou válida a vacinação obrigatória disposta no artigo 3º da lei 13.979/20 (ADIs 6.586 e 6.587 e ARE 1.267.897), além do guia técnico do MPT sobre a vacinação de covid-19, que prevê afastamento do trabalhador e considera falta grave a recusa injustificada em não se vacinar.

Para a especialista em Direito do Trabalho, Talita Garcez, essa decisão abre brechas para que as empresas adotem medidas punitivas aos empregados que recusarem a se vacinar. “É de suma importância que as empresas incluam a vacinação em seu Programa de Controle de Risco à Saúde e adotem medidas de conscientização da importância da vacinação, no intuito de caracterizar a insubordinação passível de justa causa”, explica.

Ainda de acordo com a especialista, os precedentes desses temas em decorrência da pandemia ainda são raros. “É muito importante a validação da demissão por justa causa, principalmente, em casos como este em que os empregados que já estão aptos a serem vacinados e ainda assim se recusam, pois leva em conta o interesse coletivo das pessoas que convivem com esse empregado, sobre o interesse particular. Lógica esta que vem predominando nas questões pandêmicas”, destaca.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE