Frutos com vigor- O debate da arte

Não é de hoje que vivemos na era do Fla-Fu no mundo e, por consequência, no Brasil. O mundo da arte não está isento disso. O artigo publicado na revista Veja de 8/3/2019, de Marcelo Marthe, intitulado “Raízes sem força “, sobre a exposição da pintora Djanira no Museu de Arte de São Paulo, é prova disso.

A frase final do texto (“ela era uma artista medíocre”) traz à tona algumas importantes questões sobre as maneiras de se olhar a arte. Esse tipo de juízo de valor tem todo o direito de ser feito, é claro, pois o que garante a democracia é justamente a capacidade de opinar. No entanto, o tom derrisório do artigo gera algumas questões.
A principal está no fato de argumentações como as expostas no texto parecem ser feitas justamente para gerar respostas igualmente apaixonadas e virulentas na direção contrária. E certamente haverá aqueles que defenderão a arte de Djanira no mesmo tom, só que de exaltação.
Arte não é jogo de futebol em que existe um campeão e muitos derrotados. Cada artista tem uma origem, uma história e uma expressão visual. Considerar a somatória dessas instâncias “medíocre” não me parece contribuir positivamente com a arte nacional.
Não precisamos de heróis ou de marginais. Precisamos de debates ponderados e de qualidade. Nesse aspecto, a obra de Djanira, ao contrário do que o título da revista Veja indica traz “frutos com vigor” para o que significa ser um criador no Brasil.
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE