Edit

Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa. Mais: é obrigação das corporações se comprometerem com o princípio da transparência no contexto da governança corporativa.

Tempos atrás, os dados positivos e os negativos do desempenho de uma companhia, assim como os indicadores operacionais e financeiros, raramente eram citados de forma clara e irrestrita nos informes anuais.

Felizmente, é consenso hoje, no meio empresarial, que exercer a transparência significa uma corporação estruturada, com solidez e credibilidade no mercado.

A verdade sobre uma organização faz parte de um conjunto de princípios inegociáveis. Os investidores mais bem informados terão melhores condições de analisar os riscos inerentes e desafios da empresa, assim como antever oportunidades.

Por sua vez, o comportamento do consumidor também mudou. Uma pesquisa recente da Edelman Trust Barometer, que entrevistou 8 mil pessoas em oito países, mostrou que 97% deles esperam que as marcas resolvam problemas sociais.

As novas gerações, principalmente, têm demandado conhecer mais sobre os valores e práticas das organizações que estão por trás dos produtos, antes da decisão de compra. As áreas de interesse são diversas e incluem questões como ‘sustentabilidade e meio ambiente’, ‘direitos humanos e igualdade’, ‘ética e transparência’ e ‘responsabilidade social’, dentre outros importantes temas.

Esse elevado nível de consciência está presente, ainda, nas novas gerações de trabalhadores, que também exigem das suas organizações transparência e propósito. Em síntese: a ética cria valor não apenas para investidores, mas para toda a sociedade.

Sabemos o tempo e esforço que se leva para construir uma marca e que apenas um episódio onde haja falta com a verdade ou que demonstre incoerência entre o que se declara e o que se pratica, pode fazer todo esse trabalho escorrer pelas mãos. E os impactos negativos vão atingir a sociedade como um todo, dos consumidores a colaboradores, passando por investidores e demais públicos.

Por tudo isso, as companhias necessitam assumir uma posição de humildade, e se comunicarem de forma clara e objetiva para construírem um clima organizacional saudável, onde a informação é a melhor forma de se combater ideias falsas.

Como engenheiro, acredito que todos temos de desenvolver uma visão de mundo baseada em dados. Mas, é bom que se tenha em mente, que interpretar números não é tarefa fácil. Nesse ponto, todos deveriam conhecer o pensamento do estatístico e médico sueco Hans Rosling, autor de “Factfulness, o hábito libertador de só ter opiniões baseadas em fatos”.

Na obra, ele demonstra com maestria que, quando confrontadas com perguntas simples a respeito de tendências globais, as pessoas dão sistematicamente respostas incorretas. Há alguns anos, por exemplo, no Reino Unido, foi realizada uma pesquisa onde as pessoas tinham de responder como achavam que tinha evoluído, nos últimos 30 anos, o percentual da população mundial vivendo na extrema pobreza. O resultado foi que 55% responderam que “aumentou”; 33% responderam que “ficou mais ou menos igual”, e 12% responderam que “diminuiu”.

O fato é que ao longo dos últimos vinte anos, os índices de pessoas em situação de miséria caíram muitíssimo. Segundo dados do Banco Mundial, em 1980 o percentual da população mundial vivendo com menos de US$ 1,90 ao dia, o que significa viver em extrema pobreza, estava em 44%. Já em 2017, esse percentual caiu para menos de 10%. Ou seja: a percepção e a resposta das pessoas foi diametralmente oposta ao que aconteceu e vem acontecendo na realidade.

A raiz do problema é basicamente a mesma das fake news e agora, também, de um outro grande desafio, com as deepfakes, a mais nova tendência de evolução da mentira: quando ocorre a manipulação digital das imagens e sons por meio da inteligência artificial. Ambas acontecem porque basicamente tudo o que é aterrorizante e sensacionalista acaba ganhando mais espaço e atenção na mídia e, também, como todos sabem, nas conversas de WhatsApp.

Mas, frente ao nosso pânico natural gerado pelas informações falsas que nos bombardeiam, e quase sempre obstruem a nossa compreensão da realidade, vale pensar em métodos para nos guiar e engajar na busca de soluções.

Todos nós deveríamos ser ‘cientistas da vida’, inspirado nos pesquisadores que estão nos laboratórios para saber como tratar, sob a luz da ciência, os pequenos e grandes problemas que vivemos em nossas vidas cotidianas e, também, dentro de uma corporação. Devemos cultivar a paixão por questionar as coisas e procurar fatos que consigam explicar nossos dilemas de forma clara e inequívoca.

Daí a importância de investigar a verdade à luz do “método científico” e, caso algum fato novo surja, levando a uma nova direção, voltar a questionar, sem se apegar a desejos e ao politicamente correto e aceito pela maioria.

Estamos vivendo num mundo onde as ideologias e polarização estão extraindo das pessoas a capacidade de ter um pensamento próprio, e de se aproximar dos fatos, da verdade. Estamos vivendo em um mundo onde é mais importante o líder que fala, e não o que fala o líder.

Praticarmos o factfullness é nossa única chance de viver em um mundo onde a realidade seja amparada pela verdade e a ética.

Um dos antídotos para se combater as fake news e os equívocos de compreensão é desenvolver o pensamento sistêmico. O professor Peter Senge, do MIT, trouxe muito bem os caminhos a serem perseguidos nas organizações a fim de se tornarem Learning Organizations (organizações de aprendizagem).

Ao se dividir o pensamento em sistemas dentro das organizações corporativas, podemos ajudar nossos times a compreender os mecanismos que causam os problemas.

Em síntese, ao enxergarmos o mundo como um sistema de forças entrelaçadas e relacionadas entre si, estaremos formando organizações de aprendizagem, nas quais as pessoas tendem a estabelecer objetivos mais elevados, criando os resultados desejados e compreendendo continuamente como podem evoluir em grupo.

Para isso ocorrer, é preciso estimular também uma base de confiança para o ambiente corporativo. Nesse ponto, um sentimento geral de acolhimento e de empatia precisa ser, necessariamente, o ambiente de aprendizagem de toda a companhia.

É assim que a verdade será propagada de forma consistente e sistemática. E toda a estrutura trabalhará para a melhoria contínua e permanente revitalização.

 

*Por Felipe Leonard, CEO e presidente da S.I.N. Implant System

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE