Estiagem: Represas resistem bravamente

Os moradores de Nova Odessa e região têm convivido este ano com uma quantidade de chuvas abaixo do esperado, mesmo para o período mais seco e que inclui o Inverno. Mas independente da estiagem, o nível de armazenamento de água bruta nas represas que abastecem o município está favorável, com aproximadamente 85% da capacidade total. A situação se deve ao trabalho de desassoreamento feito na maioria das represas na época de escassez hídrica vivida entre os anos 2014 e 2015.
Os sistemas Lopes e Recanto, que abastecem toda a cidade, estão armazenando atualmente mais de 2,1 milhões de metros cúbicos (m³) de água bruta, ou seja, 2,1 bilhões de litros. A quantia armazenada é suficiente para o abastecimento ininterrupto por 120 dias de toda a população, em caso de um improvável período de mais quatro meses sem a ocorrência de qualquer tipo de chuva.
A Coden (Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa), responsável pelos serviços de água e esgoto, monitora semanalmente os reservatórios. “O nível das represas está favorável e sob controle, mesmo chovendo tão pouco nos últimos meses, abaixo do que é esperado para o período mais seco do ano”, explica o diretor-presidente da Coden, Ricardo Ongaro.
O percentual hoje é praticamente o mesmo registrado nesta mesma data no ano passado. “São vários os fatores que nos levam a ter uma relativa tranquilidade no momento com relação ao abastecimento. Mas o acompanhamento é permanente e sempre realizamos campanhas de consumo consciente, para a população evitar o desperdício de água”, acrescenta Ongaro.
Com o desassoreamento feito pela Prefeitura e a Coden em três das cinco represas na época da histórica escassez hídrica, a capacidade total de armazenamento de água bruta foi aumentada em aproximadamente 10%, passando de 2,2 milhões de m³ (2,2 bilhões de litros) para 2,417 milhões de m³ (2,4 bilhões de litros). Somente na Represa Recanto 2, uma das maiores, o aumento foi de 20%.
Ações ??? O município tem realizado nos últimos anos ações de recuperação e preservação de nascentes, assim como plantios e o aumento da cobertura vegetal no entorno dos mananciais, o que aumenta a recarga do lençol freático. Outros fatores são as constantes trocas de redes, o controle de pressões e a setorização, que reduziram as perdas de água tratada na rede, de 43% em 2012, para atuais 25%.
Presidente do Consórcio das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), o prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza destaca o trabalho na área. “Nos últimos anos foram investidos mais de 35 milhões de reais para garantir a qualidade do abastecimento atual e garantindo o do futuro”, ressalta. Bill também é presidente do Consimares (Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos).
O município ainda prevê a construção de mais uma Estação de Tratamento de Água, a ETA Santo ??ngelo, na região conhecida como Pós-Anhanguera. “Dessa maneira estamos ampliando a captação e a disponibilidade hídrica do município, garantindo água para o crescimento populacional”, completa Bill. Orçada em R$ 2,8 milhões, a obra construirá o tanque de tratamento, filtros, floculadores e decantadores.
A capacidade da ETA Santo ??ngelo é para tratar 3,6 milhões de litros de água por dia, beneficiando moradores de 11 bairros. Isso porque, após a sua implantação, a cidade será setorizada em duas partes, divididas pela linha férrea, atendendo melhor a atual população e garantindo a disponibilidade de água para 30 mil futuros moradores. A captação de água para tratamento na nova estação será na Represa Santo ??ngelo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE