Escola de SB ganha prêmio mundial na Suíça

O projeto ???Escola de Plantas Medicinais??? realizado na Emefei (Escola Municipal do Ensino Fundamental e Educação Infantil) ???Profª Maria Augusta Canto Bilia???, do Parque Planalto, recebeu o ???Prêmio Inovação??? da Fundação Antenna, órgão internacional da Suíça, nesta quarta-feira (8). O projeto, desenvolvido após estudo e parcerias, conquistou o primeiro lugar entre 18 inscritos do mundo todo. 
Por meio do projeto, o Horto de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares ???Drª Nair Sizuka Nobuyasu Guimarães??? é uma realidade de vivência e aprendizagem dos alunos com plantas. Crianças de 3 a 10 anos conhecem os benefícios das plantas, semeiam, colhem, preparam receitas, experimentaram e propagam tudo isso na comunidade, semanalmente. 
De acordo com o prefeito de Santa Bárbara d´Oeste, Denis Andia, o prêmio é uma grande notícia. ???O reconhecimento internacional diz respeito a uma iniciativa alimentada por pessoas do nosso convívio, dedicadas para melhorar a qualidade de vida da população e também trata da ampliação de alternativas de tratamento de saúde das pessoas. ?? Dra. Nair Guimarães o nosso agradecimento, pelos estudos de muitos anos e pelo desenvolvimento de projetos com plantas medicinais para serem usadas na cura e tratamento de doenças. Ela é uma entusiasta que contagia a todos. Nossos agradecimentos à diretora Sandra Uetuki Nicoleti, aos professores, alunos, pais de alunos e toda a comunidade que se envolveu???, disse o prefeito. 
A Emefei Maria Augusta receberá US$ 3 mil como premiação para ampliar as possibilidades do espaço com a implantação de um miniviveiro com estufa, sistema de compostagem e sistema de coleta de água de chuva para utilizar na germinação e produção de mudas, irrigação das plantas e limpeza da escola. 
A Fundação Antenna apoia pesquisas científicas de soluções tecnológicas, de saúde e econômicas, com o objetivo de promover trabalhos científicos, médicos e econômicos que proporcionem qualidade de vida ao cidadão. 
O projeto O Horto começou a ser desenvolvido em 2013 por meio do projeto ???Horta e Jardim Medicinal: Espaços Saudáveis na Escola??? e envolveu diversos parceiros, capacitações e troca de experiências. Inaugurado em dezembro de 2016, o espaço recebeu o nome da médica sanitarista ???Drª Nair Sizuka Nobuyasu Guimarães??? conhecida por atuar em favor da educação e melhoria na qualidade de vida da população. O horto possui um mascote escolhido e desenvolvido pelos alunos, o ???Gravetolino???, que é presença garantida em todas as placas que indicam os nomes das plantas no espaço. 
Realizado pelos alunos, profissionais e pais representantes do Conselho de Escola, o projeto conta com o apoio da Secretaria de Educação, Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Saúde, Viveiro Municipal, Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo), DAE (Departamento de Água e Esgoto), entre outros. 
A vivência e o conhecimento
Os alunos do primeiro ano do ensino fundamental colheram nesta semana os ramos de manjericão no Horto. Durante a atividade já sabiam que o manjericão pode ser usado na culinária e também para aliviar problemas respiratórios se aproveitados como chá. Com os raminhos em mãos e sob a orientação das professoras e supervisoras, separaram as folhas do caule, colocando-as em um recipiente com a receita do dia ??? pesto de manjericão, para que pudessem levar para casa. Os caules foram colocados na água para observarem as raízes crescendo com o passar do tempo e replantarem depois. 
Após colherem, prestaram atenção à explicação da Maria, profissional que cuida da merenda, que já tinha preparado tudo para explicar a receita. Com os olhares atentos, as crianças contavam a quantidade de cada ingrediente que era colocado no liquidificador, animados e em voz alta. Depois de tudo pronto, o pesto de manjericão foi servido como um patê em bolachinhas salgadas, para os alunos experimentarem a deliciosa receita feita com o ingrediente que eles plantaram e cuidaram com as próprias mãos. 
???O projeto passou por reuniões, muito estudo e, juntamente com os pais dos alunos, nós fizemos um levantamento das plantas que a comunidade gostaria que tivesse aqui no nosso horto. Receber este prêmio é uma conquista fantástica, é um reconhecimento de todo o trabalho coletivo???, disse a dirigente escolar da Emefei Maria Augusta, Sandra Uetuki Nicoleti.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE