Economia: Eleições serão gatilho para novo ciclo de altas da Selic

O mercado ainda está se acomodando após a taxa Selic atingir o menor nível desde sua criação, em 1996, e os investidores estão cautelosos para novas aplicações. Nem dólar nem inflação vão conseguir impactar consideravelmente a taxa básica de juros que só deve voltar a subir após as próximas eleições presidenciais, segundo a REAG Investimentos (www.reag.com.br), uma das maiores gestoras de fundos de investimentos no Brasil. ???Existe um forte ???colchão???, ou seja, medidas amortecendo o déficit público, que após o período eleitoral pressionará uma nova alta. Efeitos práticos serão sentidos, como o aumento nos preços administrativos e a dívida líquida do setor público que começará a subir???, analisa Simone Pasianotto, economista da companhia, que estima que o ajuste acontecerá em setembro de 2019. Hoje, o déficit representa 52% do PIB, em setembro será 55,9% e vai fechar o ano em 56,6%; diante desse cenário, será inevitável elevar a taxa básica de juros. Impacto da Selic para o consumidor Há pouco mais de um ano com os juros em 14,25%, o Brasil liderava o ranking mundial de maiores juros reais. Com a Selic próxima de 6,25%, o país caiu para sexto lugar, atrás de Turquia, Argentina, México, Rússia e Índia. As taxas continuarão baixas até o final do 1º semestre de 2019, porém Pasianotto alerta que o consumidor não terá tempo de sentir esse impacto: ???Ainda mais quando se trata de baixos juros bancários. O spread é muito alto no mercado brasileiro e impede que o custo do crédito seja menor para o consumidor. A taxa Selic tem uma influência direta, mas não consegue evitar isso???. O spread bancário do país é o segundo maior do mundo (39,6%) e é sete vezes maior que a média mundial, que representa 5,47%, de acordo com o Banco Mundial. Cenário 2022 A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), marcada para maio, deverá resultar em uma nova e última redução da Selic, porém o panorama dos próximos quatro anos, de acordo com estimativas da REAG Investimentos, é otimista. O cenário até 2022, se um presidente pró-mercado for eleito, é de juros e inflação equilibrados, com o PIB per capita crescendo entre 10% e 15%, refletindo no aumento real do poder de compra e o IBOVESPA com sucessivas quebras de recorde de valorização, passando dos atuais 80 mil pontos para aproximadamente 120 mil ao final do mandato do próximo presidente.
Sobre a REAG InvestimentosPlataforma de negócios independente que desenvolve soluções financeiras customizadas. Está entre as 100 maiores gestoras do mercado brasileiro de acordo com o ranking da Anbima – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – e entre os três líderes estruturadores de Fundos de Investimento Imobiliários pelo ranking da Uqbar, empresa especializada em finanças estruturadas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE