Dilemas da existência

A I Guerra Mundial (1914 -1918), conhecida como a “guerra das trincheiras” foi provavelmente um dos conflitos bélicos mais violentos e humana e psicologicamente mais desgastantes, com combates corpo a corpo e meses passados em condições sub-humanas, em situações de fome, agonia, miséria e pobreza extremas.

?? nesse universo que incríveis histórias aconteceram. Algumas foram contadas em forma de arte. Esse é o caso do filme francês “Nos Annees Folles” (‘Anos Dourados”). Dirigido por André Téchiné a partir da adaptação de livro de Daniele Voldman “La garconne et l’assassin”, conta como um soldado desertor francês passa a viver como mulher para não ter que voltar ao front.
Essa ambiguidade gera uma tensão permanente. O soldado passa a se prostituir para ganhar dinheiro em sua versão feminina, enquanto a esposa grávida trabalha como costureira e, ironicamente, pinta soldadinhos de chumbo. ?? estabelecido assim todo um universo de dualidades no campo da sexualidade e da pura e simples sobrevivência.
Terminado o conflito, os desertores são anistiados, mas a sua reintegração à sociedade não é simples, ainda mais no caso de quem se travestiu de mulher e ganhava dinheiro com isso. A bebida é um refúgio, ainda mais pela intolerância do ex-soldado às responsabilidades ou mesmo ao choro da criança que gerou.
O desfecho trágico da narrativa apenas conclui o que já se esperava de uma personalidade insegura, não apenas para enfrentar a guerra, mas principalmente para lidar de maneira adulta com as dificuldades da existência cotidiana de qualquer um de nós.  
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE