O pintor Paul Gauguin é uma ótima referência quando se quer discutir o significado da arte. Em 1891, ele abandona a sociedade europeia e parte para o Taiti em busca da recuperação de valores que julga perdidos como a espontaneidade do processo criativo e o próprio instinto do ser humano.

O filme ‘Gauguin: viagem ao Taiti’, de Edouard Deluc, enfoca justamente essa jornada. O ator Vincent Cassel, em excelente performance, traz o encantamento e as angústias de um criador maravilhado com um novo mundo, mas sem dinheiro para se alimentar e para comprar tela e tintas.
O dilema da criação se faz constantemente presente nas conversas e nos olhares. A saúde abalada não é empecilho para um ser obcecado pelo desafio de conseguir dar vazão ao desejo de retratar um mundo pleno de luz e sensualidade, mas sem abandonar a técnica desenvolvida na Europa.
O diálogo entre culturas, ou a falta dele, é o eixo central do filme. Enquanto Gauguin procura mecanismos de expressão que o rodeia, aproximando-se dos costumes locais, vê a sua amada nativa assumir valores cristãos. Para piorar esse cenário complexo e tenebroso sob diversos aspectos, seus quadros com temas da Polinésia, plenos de cor, não são bem aceitos na Europa. O reconhecimento só veio tardiamente…
Oscar D’Ambrosio, mestre em Artes Visuais e doutor em Educação, Arte e História da Cultura, é Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE