Deputados debatem denúncia contra Temer

Depois da apresentação do relator Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) e do advogado de defesa de Michel Temer, pelo menos 12 deputados se revezaram no plenário da Câmara com discursos favoráveis e contrários ao parecer que pede o arquivamento da denúncia apresentada contra Michel Temer.
A sessão destinada a discutir e votar se a denúncia contra o presidente deve prosseguir na Justiça começou pontualmente às 9h, mas só por volta das 11h20 o plenário alcançou o quórum de 257 deputados presentes, número mínimo necessário para votar requerimentos. A partir desse quórum, os deputados podem votar os requerimentos apresentados para adiamento da sessão ou encerramento da discussão.
Durante toda a manhã, oposicionistas e governistas trocaram acusações e expuseram diferentes argumentos e estratégias em torno da votação.
???Estamos julgando pela primeira vez na história da República um presidente acusado pelo crime de corrupção. A denúncia não foi política, foi jurídica, trata-se de um crime do código penal, um crime comum. E essa Casa tenta se esconder atrás das negociações, dos encontros, dos jantares???, disse o deputado Aliel Machado (Rede-PR).
Para a base governista, a denúncia é vazia e se for levada adiante pode prejudicar o país. Os governistas pediram várias vezes ao longo do debate que a presidência da Câmara considere a presença dos deputados que discursaram, mesmo sem o registro eletrônico.
???Gostaria de ressaltar a todos os deputados e deputadas a importância de registrarmos presença e votarmos. O Brasil precisa andar, a economia precisa andar, e nós precisamos cumprir a nossa parte. Nós temos o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel, do PSDB, um relatório feito com muita clareza, com muita decência. Eu votarei a favor do relatório???, disse o deputado Mauro Pereira (PMDB-RS).
Logo após a apresentação da defesa de Temer, o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP), apresentou requerimento de adiamento da discussão. O deputado argumentou que ???seria normal??? que a acusação também tivesse o direito à palavra e que a discussão deveria ocorrer no período da tarde ou da noite para que mais pessoas pudessem acompanhar o debate.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rejeitou o pedido pois ainda não havia número de deputados presentes para votar o requerimento.
Votação
Encerrada a discussão, terá início o processo de votação do parecer. Para encaminhar a votação, dois oradores contrários e dois favoráveis ao parecer de Abi-Ackel poderão falar por até 5 minutos cada. Os líderes partidários poderão falar por um minuto para orientar o voto das bancadas.
Só então o mérito do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) será submetido à votação nominal. Cada deputado deverá responder ???sim???, ???não??? ou se abster, conforme aprove ou rejeite o voto do parecer. Os parlamentares serão chamados conforme seus estados por ordem alfabética. A chamada será alternada entre estados das regiões Norte e Sul.
Depois que forem alcançados 342 votos, a Presidência da Câmara poderá proclamar o resultado. Para derrubar a denúncia, basta que a base aliada tenha a maioria dos votos dentre o mínimo de 342 votantes. Já para aprová-la, a oposição precisa do mínimo de 342 votos favoráveis. 
Com informações da Agência Brasil

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE