Edit

Deputada analisa minorias no BBB 21

Há algumas semanas, quando foram apresentados ao Brasil os participantes desta edição do Big Brother Brasil, nos chamou atenção o fato de que o elenco tinha a maior quantidade de pessoas negras desde sua estreia. Pessoas engajadas nos movimentos sociais, artistas, professor, psicóloga tinham a missão de garantir a representatividade do povo preto em horário nobre da emissora com maior audiência do País.

Quem não assiste o programa, não se importou muito com isso. Mas os fãs se empolgaram e apostaram todas as suas fichas que estes escolhidos poderiam quebrar estereótipos, vencer o preconceito e contribuir para a luta antirracista, feminista e do movimento LGBTQIA+.

Passadas duas semanas de programa, o que temos assistido é uma série de equívocos protagonizados pelas personalidades negras que parecem ter saído do lugar do oprimido e ocupado o papel de opressor com satisfação.

Além de promoverem violência psicológica contra Lucas Penteado – isolando, ignorando, humilhando e marginalizando o participante, um jovem negro periférico integrante do movimento secundarista e da luta pelos direitos humanos – Karol Conká, Lumena, Nego Di, Projota espalharam preconceitos de toda ordem – falas carregadas de xenofobia, racismo, machismo, intolerância religiosa, bifobia e mais.

A postura destes participantes nos entristece porque, além de violar a saúde mental de um garoto que não deu conta de aguentar toda essa pressão, ela está contribuindo para a desqualificação dos movimentos sociais. Estes brothers, como são chamados, estão, por exemplo, desqualificando a luta histórica do movimento negro pela inclusão de pardos e pardas e atacando o debate tão importante do colorismo. Estes brothers estão desqualificando a luta histórica do movimento LGBTQIA+ pelo respeito aos bissexuais, tratados como “indecisos”.

Estão desmerecendo o movimento estudantil e sua defesa da educação pública de qualidade taxando jovens estudantes como vagabundos. Estão desqualificando a luta dos direitos humanos por igualdade para todas e todos, tratando os militantes como defensores de bandido. Estão representando o papel que os opositores adoram da militância raivosa e radical. Estão reproduzindo e estimulando as violências que mulheres, que o povo negro, que os LGBTQIA+, nortistas e nordestinos do nosso País já sofrem diariamente nas ruas.

Tenho em mente que a escolha de cada um destes participantes não foi sem propósito. Ela segue o projeto que mancha e depois apaga todas essas vozes pela cultura hegemônica – masculina, branca e heteronormativa. Mais uma vez, são as minorias sociais sendo atacadas, mas por algozes tirados de dentro de seus núcleos. Mais uma vez é hora de nos apoiarmos, de nos darmos as mãos e transmitirmos afeto entre os nossos.

 

Deputada Márcia Lia

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE