De bajuladores e egos inflados

Os bajuladores ou aduladores que falam e expressam somente o belo para os líderes políticos atrapalham o processo político em todo o país e, de modo mais agudo, nossa região.

Seja para o líder da vez (prefeitos, deputados, eternos candidatos) ou para os futuros, os bajuladores anulam a possibilidade de se estabelecer uma discussão republicana a respeito do futuro das cidades ou mesmo de parcerias entre municipalidades conurbadas.
A forte atuação dos ‘hiper a favor’ desestimula (e muito) uns parcos que esperam ver as cidades crescendo e levando mais qualidade de vida para os concidadãos.

OS CONTRA E A RESPONSABILIDADE– Assim como os hiper a favor cegam o líder político, os hipercontra nada mais fazem que dar eco à essa disputa binária- entre ‘gente do bem’ e inimigos do Rei. Nem um grupo nem outro é capaz de trazer o debate para o nível da responsabilidade, quiçá apontar caminhos.

Nesse jogo em que os grupos de oposição se posicionam e se retroalimentam, quem perde é a cidade.

Parece uma volta ao eterno jogo do mágico que sempre vende a ‘Nova Roupa do Rei’ versus os alarmistas que sempre afirmam que o mundo vai acabar.

O que falta para os lados aí é usar a sensatez. Ver que o que está em jogo é o futuro, mas quem se importa com isso, contanto que seu adversário se ferre.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE