Dalben e a preocupação com os idosos

As projeções são cada vez mais desafiadoras em relação ao envelhecimento da população no estado de São Paulo e no Brasil como um todo. Segundo a Fundação Seade, responsável por coletar e analisar dados no estado, até o ano de 2050 a população de paulistas idosos vai triplicar em relação a hoje. Estamos falando de pouco mais de 30 anos, que passam muito rápido.    Esse envelhecimento da população se deve à melhoria geral nas condições de vida. Com essa melhoria, a expectativa de vida aumentou e deve crescer ainda mais. Em 2010, a expectativa de vida para o homem morador de São Paulo era de 71,44 anos e, para as mulheres, era de 78,60 anos.    A diferença na expectativa de vida entre homens e mulheres tem muitas explicações. Uma delas é que os homens cuidam menos da saúde que as mulheres. Eles demoram muito, por exemplo, para fazer exames preventivos, que as mulheres realizam mais cedo e em maior número. Outra explicação é que, infelizmente, a violência tem ceifado muitas vidas, em sua maioria no sexo masculino.     De qualquer modo, homens e mulheres estão envelhecendo mais. Em 2050, a expectativa de vida em São Paulo será de 79,07 anos para a população masculina e de 84,20 anos para a feminina.     Em princípio é uma boa notícia. Entretanto, a realidade é que a sociedade paulista e brasileira ainda não está se preparando como deve para o envelhecimento da população. Hoje mesmo já são milhares de idosos que sofrem com a falta de cuidados adequados. O quadro pode piorar muito se não forem tomadas imediatamente as medidas necessárias.     ?? preciso readequar a área da saúde, da habitação, do transporte, da assistência social em geral, para que os nossos idosos tenham de fato a dignidade que merecem. O Brasil tem um Estatuto do Idoso, aprovado em 2003, mas em 15 anos muitas das metas que ele previa ainda não saíram do papel.         Entre outros pontos a serem considerados, é preciso ampliar consideravelmente a rede de Centros Dia do Idoso, um espaço onde devem ser acolhidos os idosos em situação de vulnerabilidade ou risco social. Também é fundamental criar novas políticas de inclusão dos idosos em projetos de esporte, cultura e lazer. E, claro, dar mais atenção sobretudo à saúde do idoso, ampliando-se os programas de prevenção e cuidados quando necessários.     Creio que, para que novas políticas públicas voltadas para o idoso funcionem de fato, é preciso antes de mais nada mudar a forma como a sociedade olha esse grupo populacional. O idoso merece todo o respeito, por tudo o que já fez e ainda pode fazer, pela família, pela sociedade em geral. Mas para que nossos idosos tenham a dignidade desejada, é preciso começar desde já as mudanças necessárias.
Dirceu Dalben

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE