O número de famílias vivendo na comunidade do Zincão aumentou 12,5% durante a pandemia de Covid-19, conforme dados da secretaria municipal de Habitação enviados à vereadora Professora Juliana (PT) em resposta ao requerimento nº 1.029/2021, que solicitou uma série de informações sobre a situação da ocupação de moradia. De acordo com a resposta, em março de 2020, quando a pandemia da Covid-19 começou, 168 famílias viviam no local, situado na região do Parque da Liberdade. No último levantamento de dados realizado pela prefeitura, em novembro de 2021, foram contabilizadas 189 famílias.

 

Dessas, segundo a resposta, 147 famílias já foram entrevistadas pelas equipes, das quais a maioria informou que se instalou na ocupação por conta de dificuldades econômicas. Desse total de famílias entrevistadas, 27 relataram ter origem em Santa Bárbara d’Oeste e 16 informaram ser de outras cidades. Na resposta, a secretaria de Habitação diz que o período da pandemia “impediu avanços nos levantamentos e triagens das famílias”, mas diz que “há extrema preocupação por parte da prefeitura no sentido de minimizar as condições precárias” enfrentadas pelas famílias.

 

Em dezembro do ano passado, a vereadora esteve no gabinete do prefeito Chico Sardelli (PV) acompanhada da deputada estadual Márcia Lia (PT) para debater, entre outros assuntos, a situação das famílias que vivem no local. Na ocasião, o prefeito disse que tinha preocupação com o tema e que as informações estavam sendo levantadas. Ainda na resposta do requerimento, a Habitação diz que “está trabalhando em conjunto com outras secretarias para, juntas, encontrarem a melhor solução para aquelas famílias”.

 

“A pandemia gerou uma crise econômica muito grave. Muita gente perdeu o emprego e, sem o devido auxílio, ficou sem condições de pagar o aluguel e as contas da casa. E o aumento no número de famílias no Zincão é um indicativo disso. Esperamos que as tratativas avancem no sentido de garantir direitos básicos urgentemente e moradia digna a essas famílias”, avaliou Juliana.