Edit

O crescimento sustentável da indústria farmacêutica no Brasil

A pandemia afetou e continua afetando diversos setores da economia brasileira e mundial.

Para tentar contribuir no combate à pandemia, várias empresas colocaram muitos recursos financeiros em suas áreas de pesquisa e desenvolvimento com foco na descoberta de possíveis tratamentos. Enquanto os resultados não vinham, muitos segmentos sofreram com demissões, diminuição de investimentos e interrupção de suas produções, resultando na busca do equilíbrio para viver o novo normal. Mesmo no segmento farmacêutico, presenciamos aumento do quadro de funcionários em algumas empresas, como também restruturações, reduções de força de vendas ou congelamento de vagas em outras.

O Brasil sentiu a retração econômica e precisou fazer ajustes, porém com investimentos de empresas estatais e privadas foi possível estabilizar o setor, reaquecendo as operações. Até para ficar mais explícita esta questão, segundo o IQVIA, empresa que auditora o setor farmacêutico, no ano passado o valor movimentado foi de R$139,37 bilhões, o que significou um aumento de 12,1% comparado com o mesmo período do ano passado, quando foi registrado R$ 120,54 bilhões.

De acordo com o levantamento da consultoria KPMG, no segundo semestre de 2019, ou seja, antes da pandemia, foram realizadas cinco operações no setor. O mesmo número também foi visto nos primeiros seis meses do ano passado. Em 2021, aconteceram quatro transações de empresas farmacêuticas entre os meses de janeiro e julho, mostrando que mesmo com uma queda no segmento existe uma tendência de investimentos internos e externos, mesmo com a pandemia em curso. Ou seja, as fusões e aquisições no setor farmacêutico não sofreram tanto neste período da pandemia, diferentemente de outros setores, e a aplicação de capital tem como fator primordial a tecnologia encontrada em nosso país, além da mão de obra.

Já quando falamos em tecnologia, remetemos nosso pensamento às startups. As healthtechs, como são chamadas, também crescem no Brasil. Segundo o estudo da Distrito Healthtechs Reports 2020, existem no país 542 startups na área da saúde, sendo que 57 estão relacionadas ao segmento de farmacêutica e diagnósticos. Dentro de uma subcategoria encontramos 19 companhias no segmento de pesquisa farmacêuticas. Este é um número que vem crescendo gradativamente e com a pandemia se tornou essencial para acelerar estudos na busca por soluções na luta contra a covid-19.

Todo esse histórico mostra que o Brasil possui um ecossistema de inovação muito forte. Como dito anteriormente, em nosso país existe muito recurso, além de profissionais extremamente qualificados. O interesse é visto tanto das empresas nacionais, como de companhias estrangeiras que estão chegando para iniciar suas operações industriais e comerciais, pois veem aqui uma oportunidade de expansão de negócios.

Desta forma é possível concluir que, mesmo diante da pandemia que estamos vivendo, o Brasil é um excelente polo para a indústria farmacêutica. O histórico já mostra isso e atualmente os investimentos estão chegando. É a oportunidade para nos tornarmos uma referência no segmento.

 

* Michel Batista é Gerente Sênior de Negócios da Celltrion Healthcare no Brasil.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE