Cresce número de idosos em busca de cirurgia plástica

Anualmente, 80 mil cirurgias plásticas são realizadas em idosos. De acordo com o último levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o percentual de procedimentos estéticos realizados por pessoas a partir de 65 anos passou de 5,4% em 2016 para 6,6% em 2018.

 

Os dados revelam que os idosos estão levando a sério o título de “melhor idade” e aproveitando cada vez mais para se cuidar, ou seja, envelhecer não é mais sinônimo de incapacidade ou doença, muito pelo contrário. Muito além da saúde mental e do condicionamento físico, a imagem entra na lista de cuidados dessa geração.

 

De acordo com o Membro Titular de Cirurgia Plástica, Dr. Alan Landecker, entre as intervenções mais procuradas por este público, destacam-se o ajuste de pálpebras (blefaroplastia) quando se tem um aumento na quantidade de pele na pálpebra superior e bolsas proeminentes nas pálpebras inferiores, procedimento de rejuvenescimento na face como o lifting facial, bem como nas mãos, através de correção das rugas e manchas.

 

Vaidade na terceira idade 

O interesse crescente dos idosos por procedimentos estéticos pode estar relacionado, ao fato de o Brasil ser considerado o país mais vaidoso do mundo, em razão da realização de um grande número de cirurgias plásticas no Rio de Janeiro, São Paulo e demais estados. Segunda a SBCP, o país tem uma população idosa cada vez mais saudável e ativa, com cerca de 28 milhões pessoas com mais de 60 anos. A expectativa de vida cresce acelerada – em 1940 era de 40 anos e, sete décadas depois, passou a ser 75 anos, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Cuidados

Ainda que os idosos estejam cuidando cada vez mais da saúde, a idade avançada traz mudanças que deixam o organismo mais frágil. Por isso, é necessário tomar cuidados antes, durante e depois da cirurgia.

“Um dos fatores decisivos para determinar se o paciente pode ou não fazer um procedimento é a pressão arterial. Na terceira idade, a circulação do sangue fica mais lenta, o que impede procedimentos que demandem grandes deslocamentos de pele. Quando realizados, a cicatrização pode ser comprometida e gerar complicações no pós-operatório”, afirma Landecker.

 

Outro fator importante segundo o especialista é o tempo de cirurgia, que não deve ser demorado para não expor o paciente à anestesia por um período mais longo. Por esse motivo, fazer dois ou mais procedimentos no mesmo dia geralmente não é recomendável. Por fim, Landecker conclui que que não existem regras fixas e cada corpo tem seu próprio ritmo, o ideal é tomar todas as decisões com base nas orientações de um cirurgião de confiança.

 

Dr. Alan Landecker, Cirurgião Plástico – Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da (Sociedade Internacional de Rinoplastia) com cerca de 20 anos de experiência. É formado em medicina e cirurgia geral pela Universidade de São Paulo (FMUSP) CRM-SP 87043 e em Cirurgia Plástica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e Clínica Ivo Pintanguy. Especialista em rinoplastia estruturada primária e secundária (Rhinoplasty Fellow) pela University of Texas Southwestern em Dallas, Texas, EUA, sob o Dr. Jack P. Gunter. É precursor da Rinoplastia Balanceada que tem por base utilizar a técnica inovadora de piezoelétrica (ultrasônica) aliada às técnicas cirúrgicas de rinoplastia estruturada e preservadora com o objetivo de realizar uma cirurgia capaz de oferecer o máximo de previsibilidade, com o menor trauma cirúrgico possível e minimizar as chances de complicações, além de facilitar eventuais reoperações. www.landecker.com.br

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE