Créditos de celular pré-pago não terão mais prazo de validade

As operadores de telefonia móvel foram proibidas pela Justiça de estabelecerem prazo de validade para créditos pré-pagos em todo território brasileiro. A multa diária para quem não cumprir a decisão é de R$ 50 mil, porém, ainda cabe recurso.

Para o relator do processo, desembargador federal Souza Prudente, esse tipo de atitude (estabelecer prazos de validade) configura-se um confisco antecipado dos valores pagos pelo serviço público de telefonia, que é devido aos consumidores. 
As cláusulas contratuais e as normas da Anatel que estipulem a perda dos créditos adquiridos após o prazo de validade ou que condicionem a continuidade do serviço à aquisição de novos créditos foram anuladas pelo magistrado. Souza Prudente proibiu, ainda, que as operadoras Vivo, Oi, Amazônia Celular e TIM subtraiam créditos ou imponham prazos de validade para sua utilização. 
A Anatel estabeleceu, por meio de resolução, que os créditos podem estar sujeitos a prazo de validade, desde que a prestadora ofereça, no mínimo, validade de 90 a 180 dias. Caso o usuário insira novos créditos antes do prazo para rescisão do contrato, os créditos não utilizados e com prazo de validade expirado serão revalidados pelo mesmo prazo dos novos créditos. Com informações de Agência Brasil.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE