Covid RMC. Idosos são 85% das vítimas fatais

Um estudo do Observatório PUC-Campinas, que analisou os casos e as mortes por coronavírus até o fim de junho, indica que os idosos são as principais vítimas fatais da doença na Região Metropolitana de Campinas. Em Campinas, epicentro da pandemia na RMC, a população idosa responde por 84,9% do total de óbitos registrados, realidade que se estende aos demais municípios da região. (VEJA O ESTUDO COMPLETO)

A situação reforça a vulnerabilidade das pessoas acima de 60 anos no contexto da covid-19, incluídas nos grupos de risco determinados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Na RMC, os indivíduos que integram essa lista representam aproximadamente 15% do conjunto populacional: são 475.700 os idosos residentes nas vinte cidades da região.

Para o economista Cristiano Monteiro, que coordenou o levantamento, as estatísticas já evidenciam a necessidade da criação de políticas públicas para proteção social e defesa da vida da população em idade mais avançada. Para ele, as medidas se fazem urgentes diante do declínio constante no índice de isolamento social na região, atualmente em torno de 50%.

“Com a possível flexibilização das atividades de comércio e serviços privados e públicos, que viabiliza maior interação social dos jovens e adultos, a taxa de distanciamento deve seguir em queda, cenário que se traduz em novos riscos à população idosa, que na maioria dos casos divide moradias com tais grupos”, analisa o professor extensionista.

A preocupação do docente é justificada em números: em Campinas, 75,5% dos casos de coronavírus até o fim de junho foram registrados em pessoas entre 20 e 59 anos, que se deslocam intensamente em razão das suas atividades de trabalho. Ao voltar para casa, onde reside com pessoas idosas, esse grupo aumenta substancialmente a probabilidade de contágio da população na faixa etária de risco.

“O atraso histórico na produção de moradias particulares para novas gerações; em outras palavras, o fato de muitos jovens e adultos residirem com as pessoas idosas, apresenta-se como um problema social que agrava a situação da pandemia da covid-19, em total desfavor dos idosos, cuja letalidade é demasiadamente mais alta”, acrescenta Cristiano.

Com isso, o economista sugere a adoção de certas medidas pelo setor público, de forma a assegurar a proteção da população idosa. São elas: contratação emergencial de “cuidadores de idosos”, que se responsabilizariam pelo contato direto com famílias que se enquadram no grupo de vulnerabilidade mencionado; adoção de home office aos jovens e adultos economicamente ativos que residem com idosos; e acompanhamento digital da taxa de isolamento social das pessoas que vivem com idosos.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE