Covid-19. Sumaré vota regras para manejo de corpos

O Projeto de Lei nº 67/2020, de autoria do vereador Ronaldo Mendes (PSDB), foi aprovado, em regime de urgência, na sessão ordinária da última terça-feira (12) da Câmara de Sumaré. A propositura, que regulamenta o manejo de corpos no contexto do coronavírus para as empresas funerárias localizadas na cidade, recebeu 19 votos favoráveis dos vereadores e deve seguir para a sanção do Executivo Municipal.
O PL, que passou por adequações desde sua apresentação, propõe que as empresas prestadoras de serviços funerários de Sumaré deverão seguir procedimentos específicos, durante o período de pandemia, para a realização do reconhecimento, higienização, embalagem, velório e sepultamento de corpos. Dentre os critérios estabelecidos, estão a higienização correta e o bloqueio de orifícios naturais e de drenagem dos cadáveres.
Sobre o reconhecimento do corpo, este será limitado a um único familiar ou responsável, e não deverá haver contato direto, respeitando-se uma distância de dois metros entre eles. Quando houver necessidade de aproximação, o familiar ou responsável deverá utilizar máscara cirúrgica, luvas e aventais de proteção. Já nos casos em que a estrutura existente permita, o reconhecimento deverá ser feito meio de fotografias. Ao final, deverá ser feito o registro daquele que reconheceu o corpo, com cópia de seus documentos de identificação, no prontuário do paciente falecido.
De acordo com a proposta, a embalagem do cadáver deve ocorrer no local onde houve o óbito, com o mínimo possível de manipulação. O procedimento deve ser feito com três camadas, e não é necessário carro especial para o transporte do corpo. Após sua utilização, porém, deverá ser desinfectado.
Segundo Ronaldo, ???entendemos que faz parte dos deveres dos vereadores contribuir para a criação e efetivação de critérios emergenciais que controlem a disseminação do vírus. As determinações deste projeto são uma forma de proteger a saúde dos profissionais que prestam serviços funerários, além da saúde dos familiares dos falecidos. Esclarecemos que não haverá aumento de custos para as funerárias, trata-se apenas de segurança para os seus funcionários.???
O projeto determina, ainda, que o cadáver deve ser acomodado em urna lacrada, e não mais aberta, antes de ser entregue aos familiares. Caso ocorram velórios, deverá ser evitada a presença de pessoas pertencentes ao grupo de risco, e deverá ser feito o uso de máscaras.  Tanto o velório quanto o sepultamento não devem contar com aglomerado de pessoas, respeitando a distância mínima entre elas de dois metros.
Os estabelecimentos que prestam serviço funerário no município terão o prazo máximo de dez dias corridos após a publicação da lei para adequação às normas. Se houver descumprimento, será aplicada multa no valor de R$ 2 mil, e, em caso de reincidência, a quantia será dobrada, além de haver abertura de processo para cassação de seu alvará de funcionamento.
 

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE