Covid-19. Estudo prevê 166 mil mortes no Brasil

Em suas primeiras projeções comparando diferentes medidas para controlar a transmissão do COVID-19, o Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME) da Universidade de Washington prevê que 166.362 pessoas irão morrer no Brasil até 1o de Outubro. A estimativa pressupõe que autoridades estaduais e federais brasileiras implementarão ou manterão medidas de isolamento social quando as mortes diárias em cada estado atingirem 8 por cada um milhão de pessoas.

Leia mais- Americana tem 20 mortes e quase 400 casos

O IHME agora compara essa estmativa a dois cenários alternativos: naquele em que o Brasil continua a afrouxar as medidas de distanicamento social, o número de mortos pelo COVID-19 poderia subir para 340.476, sugerindo que pelo menos outras 174.100 vidas podem também ser perdidas.

“O Brasil está em um momento difícil” diz o diretor do IHME Dr. Christopher Murray. “A menos que e até que o governo tome medidas sustentadas para diminuir a transmissão, o país continuará com sua trágica trajetória ascendente de infeções e mortes. Além disso, estando no Hemisfério Sul, esperamos que a sazonalidade agrave a situação, particularmente nos estados da região sul.”

A previsão para o Brasil e outros países da América Latina estima o número de mortes pelo vírus caso medidas de distanciamento social sejam implementadas pelos países por seis semanas, a partir do momento em que as mortes atingirem 8 por cada um milhão de pessoas, e compara esse cenário à situação onde nenhuma ação é tomada.

Se o uso de máscara for aumentado para 95%, por exemplo por meio de mandatos impostos, o número de mortes poderá ser reduzido para 147.431.

As previsões por estado com (“Referência”) e sem (“Pior cenário”) medidas de distanciamento social são:

Acre: Referência 813 (variação de 515 a 1.226) / Pior cenário 1.234 (variação de 678 a 1.852)
Alagoas: 2.992 (variação de 1.927 a 4.779) / 3.386 (variação de 2.053 a 5.773)
Amapá: 910 (variação de 594 a 1.339) / 1.060 (variação de 631 a 1.601)
Amazonas: 4.274 (variação de 3.425 a 5.333) / 4.274 (variação de 3.425 a 5.333)
Bahia: 9.762 (variação de 4.276 a 20.144) / 20.204 (variação de 6.476 a 44.045)
Ceará: 7.896 (variação de 6.459 a 10.292) / 9.681 (variação de 6.652 a 15.105)
Distrito Federal: 1.997 (variação de 1.369 a 3.002) / 4.636 (variação de 2.946 a 6.747)
Espírito Santo: 3.890 (variação de 2.960 a 5.044) / 6.436 (variação de 4.490 a 8.724)
Goiás: 4.319 (variação de 1.245 a 11.072) / 14.198 (variação de 3.821 a 24.696)
Maranhão: 4.001 (variação de 2.771 a 6.614) / 4.001 (variação de 2.771 a 6.614)
Mato Grosso: 3.418 (variação de 1.801 a 5.552) / 7.135 (variação de 3.978 a 9.968)
Mato Grosso do Sul: 1.709 (variação de 185 a 6.023) / 5.140 (variação de 369 a 11.440)
Minas Gerais: 14.952 (variação de 4.847 a 34.635) / 48.141 (variação de 13.274 a 94.169)
Pará: 6.550 (variação de 5.572 a 8.024) / 6.550 (variação de 5.572 a 8.024)
Paraíba: 3.175 (variação de 1.621 a 5.630) / 5.974 (variação de 2.185 a 12.156)
Paraná: 7.810 (variação de 2.273 a 19.310) / 21.180 (variação de 5.088 a 42.398)
Pernambuco: 10.333 (variação de 7.514 a 15.486) / 12.186 (variação de 8.215 a 19.741)
Piaui: 2.431 (variação de 1.599 a 3.578) / 7.535 (variação de 4.018 a 11.858)
Rio de Janeiro: 19.141 (variação de 13.893 a 29.258) / 44.221 (variação de 24.907 a 70.160)
Rio Grande do Norte: 3.245 (variação de 1.045 a 9.063) / 5.674 (variação de 1.200 a 13.394)
Rio Grande do Sul: 6.595 (variação de 1.829 a 19.746) / 11.505 (variação de 2.525 a 34.684)
Rondônia: 1.337 (variação de 760 a 2.289) / 1.337 (variação de 760 a 2.289)
Roraima: 497 (variação de 341 a 770) / 866 (variação de 435 a 1.243)
Santa Catarina: 3.424 (variação de 672 a 11.909) / 3.824 (variação de 706 a 13.607)
São Paulo: 36.914 (variação de 23.948 a 56.506) / 81.830 (variação de 40.829 a 135.270)
Sergipe: 3.000 (variação de 1.789 a 4.863) / 6.247 (variação de 4.126 a 8.100)
Tocantins: 976 (variação de 432 a 1.972) / 2.022 (variação de 631 a 4.040)

As novas projeções refletem o crescimento da epidemia em todo o América Latina. No México, 88.160 mortes (variação de 67.967 a 120.023) são esperadas até 1o de Outubro se medidas de distanciamento social forem adotadas. Na Colômbia, o total é de 35.314 mortes (variação de 14.640 a 81.942), e no Perú são previstas 36.210 mortes (variação de 28.145 a 48.617).

Alguns países estão enfrentando crescentes epidemias apesar das medidas de controle, o que pode indicar que as políticas de distanciamento social não estão sendo seguidas ou que a sazonalidade associada ao inverno no Hemisfério Sul é poderosa o suficiente para manter a transmissão em alta.

As novas projeções de mortes e outras informações estão disponíveis em: https://covid19.healthdata.org.

Uma nota de agradecimento

Desejamos agradecer calorosamente o apoio desses e de outros que tornaram possíveis nossos esforços para gerar as estimativas do COVID-19: ACAPS; Associação Americana de Hospitais; Fundação Bill e Melinda Gates; Escola de Governo Blavatnik, Universidade de Oxford; Bloomberg Philanthropies; Boston Children’s/Health Map; Fundação de Assistência Médica da Califórnia; Universidade Carnegie Mellon; Christopher Adolph e colegas do Departamento de Ciência Política da Universidade de Washington; Descartes Labs; Facebook Data for Good; Google Labs; John Stanton & Theresa Gillespie; Julie & Erik Nordstrom; Fundação da Família Kaiser; Fundação Medtronic; IA Microsoft para Saúde; Instituto Nacional de Saúde Minoritária e Disparidades em Saúde (NIMHD) nos Institutos Nacionais de Saúde (NIH); Fundação Nacional de Ciências; Our World in Data; Premise; Qumulo; Real Time Medical Systems; Redapt; SafeGraph; O Projeto de rastreamento do COVID; Universidade Johns Hopkins; Fundação do Kuwait para o Avanço das Ciências (KFAS); O jornal New York Times; UNESCO; Universidade de Maryland; Instituto de Estudos Avançados das Américas da Universidade de Miami (Felicia Knaul e Michael Touchton); Wellcome Trust; Organização Mundial de Saúde; e, finalmente, os vários Ministérios da Saúde e Saúde Pública em todo o mundo, colaboradores e parceiros por seus incansáveis esforços de coleta de dados. Obrigado.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE