Covid-19. Brasil já é o segundo com mais mortes

O avanço do coronavírus no Brasil fez com que o país superasse mais uma marca trágica nesta sexta-feira (12/06): agora é o país com o segundo maior número de mortes por covid-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Foram registrados mais 909 óbitos nas últimas 24 horas. Assim, o Brasil acumulou 41.828 vítimas da doença, segundo o Ministério da Saúde.

A marca deixou para trás o Reino Unido, que tinha 41.566 mortes na noite desta sexta-feira, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

A taxa de mortalidade no Brasil também chegou a 19,9 por 100 mil habitantes, segundo o Ministério da Saúde. Um  à frente de países como a Alemanha (10,6), mas atrás de outras nações europeias duramente atingidas pela pandemia, como a Bélgica (84,4) e Reino Unido (62,1).

Há um mês, o país acumulava 12.400 mortes por covid-19. À época, o país ocupava a sexta posição em número de mortes. O Brasil registrou sua primeira morte por coronavírus em 17 de março.

Os dados do Ministério da Saúde, que usam informações das secretarias estaduais e que foram divulgados no Painel Covid-19, também apontam que o país registrou mais 25.982 casos da doença entre quinta e sexta-feira. Com isso, o total chegou a 828.810. O país também é o segundo colocado mundial em número de casos, atrás apenas dos EUA.

Os dados foram atualizados às 18h20 (horário de Brasília).

A divulgação da nova marca trágica no Painel Covid-19 ocorre uma semana após o Ministério da Saúde ter dificultado o acesso aos dados completos da doença no Brasil. Em 5 de junho, o Painel Covid-19 foi ao ar desfigurado, sem os dados totais de mortes e casos no país.

A iniciativa do ministério provocou reclamações de entidades que lidam com a transparência e levantou o temor de que o governo estivesse planejando maquiar os dados. Antes de esconder parte dos dados, o ministério já vinha mudando a abordagem de divulgação, passando a destacar notícias “positivas” da epidemia e retirando informações negativas das redes sociais.

A nova política se intensificou depois da saída de Luiz Henrique Mandetta da pasta e a entrada em peso de militares no ministério.

Na última terça-feira, o governo voltou a disponibilizar os dados completos em seu painel, no mesmo formato que vinha sendo adotado até 4 de junho. A decisão só ocorreu após uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE