Coronavírus. Estudo agora indica que serão 90 mil mortes

O Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME) da Universidade de Washington está prevendo quase 90.000 mortes relacionadas ao COVID-19 no Brasil até agosto.
A análise inclui previsões para oito dos 26 estados brasileiros que foram os primeiros a ter mais de 50 mortes, incluindo São Paulo, com quase 37.000 mortes previstos, para o Paraná com menos de 250 mortes.
“As projeções do IHME para mortes no Brasil indicam claramente que o sistema de saúde do país está enfrentando um desafio assustador”, disse o diretor do IHME, Dr. Christopher Murray. “Nosso objetivo em anunciar esses resultados é informar aos decisores políticos a melhor forma de controlar e mobilizar para o COVID-19”.
A previsão atual do IHME dura até 4 de agosto e, como Murray observou, as projeções do Instituto mudam à medida que novos dados são adquiridos e analisados. Estados adicionais serão adicionados às próximas previsões. Flutuações são esperadas.
A análise do Instituto conclui que haverá 88.305 mortes no Brasil, com um intervalo possível tão baixo quanto 30.302 e tão alto quanto 193.786 até 4 de agosto. Inclui oito dos 26 estados do país. Por estado, os resultados são:
São Paulo: 36.811 mortes previstas até 4 de agosto, com variação de 11.097 a 81.774Rio de Janeiro: 21.073 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 5.966 a 51.901Pernambuco: 9.401 mortes previstas até 4 de agosto, com faixa de 2.468 a 23.026Ceará: 8.679 mortes previstas até 4 de agosto, com variação de 2.894 a 18.592Amazonas: 5.039 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 1.859 a 9,383Maranhão: 4.613 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 868 a 12.661Bahia: 2.443 mortes previstas até 4 de agosto, com um intervalo de 529 a 8.429Paraná: 245 mortes previstas até 4 de agosto, com faixa de 170 a 397Os resultados de hoje seguem pedidos dos líderes da saúde para projeções de mortes e outras assuntos relacionadas ao COVID-19, como recursos hospitalares necessários para ajudar a lidar com a pandemia. As estimativas do IHME mostram que o Brasil está com uma falta de mais de 3.000 camas hospitalares de UTI, e a lacuna é prevista crescer. Alguns estados brasileiros também estão sofrendo falta aguda. Estima-se um déficit de mais de 3.000 camas hospitalares e mais de 1.000 camas de UTIs no Amazonas a partir de 12 de maio, e em São Paulo, um déficit de mais de 1.000 camas de UTIs.
“?? importante que os países e as regiões analisem atentamente a capacidade hospitalar, as necessidades de recursos, e a trajetória contínua de casos de coronavírus”, disse Jarbas Barbosa, Diretor Assistente da Organização Pan-Americana da Saúde. “A epidemia na América Latina está chegando mais tarde que na Europa. Este é um momento para estar vigilante, observar os dados, e implementar as medidas relevantes da saúde pública.”
Murray observou que sua organização trabalhou em estreita colaboração com os funcionários da OPAS e outros membros de sua rede de colaboradores, totalizando agora mais de 5.000 pessoas em mais de 150 países.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE