Edit

Coronavírus e os efeitos indesejados no Brasil

Os efeitos danosos do surto do Coronavírus que atingem a China e chega agora à Itália vão muito além da saúde.
No Brasil já há falta de peças para a montagem de produtos, e eventual queda nas exportações de commodities para a China é algo que está em aberto no cenário econômico.
Não há como negar que a crise afetará o PIB chinês com repercussões globais.
A resignação sul-americana e brasileira em abrir mão da industrialização, de investimentos em tecnologia e a fácil concentração na exportação de soja, carne e minérios demonstrou-se equivocada, e o surto da doença é só um sinal de nossa vulnerabilidade.
Ainda que em termos globais o Brasil exporte mais do que importe para a China, a concentração de riqueza no agronegócio produziu um país manco socialmente e de perspectivas sombrias para o resto da população.
Hoje são 41% de trabalhadores informais que não tem a menor condição econômica e educacional de planejar aposentadoria ou estabelecer qualquer plano de longo prazo. Assim nossa previdência quebrará em pouco tempo.
Mas não é só. Há caos nas relações sociais; hoje, casamentos e projetos de vida são tão efêmeros como um trabalho intermediado por aplicativo.
Desemprego, divórcios, crianças sem pensão alimentícia e aumento do exército de criminosos são as consequências urbanas da certeza de que não se consegue vencer dentro das regras do jogo. E se não se consegue vencer dentro do Estado Democrático de Direito despreza-se este.
O Brasil está perdendo um tempo valioso perdido em discussões ideológicas vazias, desprezando o potencial de sua juventude e dependente de um mercado global que dividiu o mundo em quem tem empregos, quem tem patentes e royalties, os que produzem alimentos e os que nada tem.
Esse quadro não interessa mais, como indicam Trump e o Brexit quando se fecham para garantir seus interesses.
Não podemos mais ficar reféns desta perversa lógica econômica global.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE