Consumidor preocupadíssimo agora em ‘prover o básico’

A maioria dos consumidores brasileiros atribuem palavras negativas à situação financeira, sendo ruim a mais citada por eles. Além disso, o sentimento em relação aos gastos fixos se divide entre preocupação (70%) e ansiedade (65%), realidade que tem afligido a população desde o início da pandemia. Segundo pesquisa da Acordo Certo – empresa de renegociação de dívidas 100% online com foco no bem-estar financeiro do consumidor – 69% possuem alguma dívida – desses, 60% devido à pandemia .

Ainda de acordo com o levantamento, as preocupações se dividem entre o medo de não conseguir prover o básico (35%), não conseguir pagar as dívidas (34%) e ficar com o nome negativado(34%). As dívidas também têm impactado diretamente na saúde mental e emocional dos brasileiros, 7 em cada 10 pessoas relatam que tiveram ou ainda tem alterações de humor (72%) ou sono (71%), além de ansiedade (67%) e baixa produtividade nas tarefas do dia a dia(62%).

Com foco no bem-estar financeiro do consumidor por meio de facilitação na renegociação de dívidas com mais de 30 empresas parceiras, a fintech encerrou 2020 com mais de 4 milhões de novos acordos, um crescimento de 240% em relação a 2019. O diferencial gira em torno de dois pontos centrais: empatia e acolhimento no tratamento das pessoas e até 99% de desconto no valor da dívida. Para Thales Becker, CMO (Chief Marketing Officer) da Acordo Certo, é importante entender a situação de forma racional, sem ignorar como a pandemia afetou a vida dos brasileiros.

“Na nossa posição, enquanto empresa dedicada também a promover educação financeira, queremos não só auxiliar no processo de quitação das dívidas, mas também proporcionar os caminhos necessários para uma vida financeira positiva. Sabemos que diante do momento é ainda mais difícil falar sobre o assunto, mas acreditamos que com empatia e conhecimento, as vidas de muitas pessoas serão transformadas”, afirma Thales.

Ainda de acordo com o levantamento, contas de luz (71%), compras de mercado (65%), gás (62%), água (56%) e despesas médicas (42%), foram os gastos que mais tiveram aumento para os consumidores durante quase um ano de pandemia. Somado ao aumento das despesas está o endividamento das contas, liderado pelo cartão de crédito (43%), negociação de dívidas (29%) e parcelamento de loja (26%). Além disso, empréstimo (23%), luz (19%), telefone (15%) e água (14%) aparecem no ranking.

“Constantemente lemos notícias apontando o aumento dos preços na cesta básica, bandeira vermelha nas contas de luz, aumento no reajuste de aluguel e demais itens de gastos fixos dos brasileiros. Soma-se a isso os juros de dívidas em atraso e o desafio fica ainda maior. Entendemos que o primeiro passo para sair do vermelho é organizar as finanças domésticas e se planejar para zerar as dívidas, nem que seja aos poucos. O ideal é manter a calma, anotar todos os débitos e negociar os melhores descontos e condições de pagamento. Com isso é possível brecar o endividamento, realizar acordos com um bom desconto, de uma forma que caiba dentro do orçamento mensal”, explica Thales.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE