Construção civil: RMC recebe nova usina de reciclagem

O início recente das operações da usina de reciclagem Serello Ambiental representa um avanço na destinação correta dos materiais provenientes da construção civil na Região Metropolitana de Campinas (RMC). O empreendimento é o braço que faltava para cidades da região se adequarem ao Plano Nacional de Resíduos Sólidos.

Entre as vantagens conquistadas estão a diminuição da clandestinidade de caçambas, das disposições inadequadas de entulho e do custo de frete para destinação desse material. Estima-se que a despesa mensal gerada por essas irregularidades às cidades seja de R$1,00 por habitante, ou seja, aproximadamente R$120 mil todo mês somente para a cidade de Valinhos. A gestão do entulho alavanca as cidades na obtenção da Certificação Município Verde Azul, do Governo do Estado de São Paulo, que pode ser convertido em benefícios como ambulâncias e maiores repasses às prefeituras certificadas. Além disso, o direcionamento correto do resíduo inerte pode duplicar o tempo de vida de um aterro sanitário.
Os sócios-proprietários da empresa, o engenheiro Pedro Henrique Serapião e o químico Rafael Cossiello, visitaram mais de 13 usinas de britagem, inclusive nos Estados Unidos, para fundamentar a empresa. Tamanho empenho rendeu ao projeto o 1º lugar no 6º Prêmio Milton Vargas, na categoria ambiental, pela revista Fundações e Obras Geotécnicas. O resultado é uma unidade de operações com tecnologia de ponta instalada em uma área de 51.000m² no eixo logístico da Rodovia Anhanguera. ???Trouxemos o que existe de mais moderno em instalações e britagem de materiais e, hoje, seguramente, temos uma das mais eficientes usinas do País???, afirma Serapião.
Economia na obra
A premissa da Serello é tratar o entulho como material nobre a ser retornado para a cadeia da construção civil com o grande diferencial da logística reversa dos transportadores de caçambas como forma de capilarizar a entrega dos agregados reciclados nas obras, o que diminui significativamente os custos do empreendimento. ???Em um mesmo frete o cliente envia o entulho à destinação correta e carrega novos produtos provenientes daquele material, como areia, pedrisco, britas, rachão e bica corrida???, explica o engenheiro.
Esses agregados são empregados em inúmeros fins, como em drenos, base e sub-base de pavimentação, aterramento de valas, aplicações em alvenaria, muros, calçadas, pisos, valetas e fabricação de artefatos cerâmicos e de concreto como tijolos, blocos entre outros. ???Após tanto estudo, agora é tempo para fazer valer as propostas de respeito ao meio ambiente, de inclusão social e de competitividade econômica em processos sustentáveis e eficientes???, vislumbra Cossiello.
 
Impacto ambiental e oportunidade de negócio
Há 15 anos o Conselho Nacional do Meio Ambiental (Conama) estabeleceu diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Segundo Cossiello, essa resolução veio como um grande farol de esperança para milhões de brasileiros e milhares de cidades que vinham sofrendo com a destinação incorreta do entulho em rios, lagos, terrenos baldios e lixões. ???Tanto tempo se passou e o entulho ainda é descartado nesses mesmos lugares e tratado como lixo, sendo muitas vezes misturado aos resíduos orgânicos domésticos e destinado em aterros sanitários???, lamenta o empresário.
 Segundo o último levantamento da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon), 55% do total de resíduos gerados é referente a restos de construções civis, sendo que a taxa de geração de entulho por m² de construção varia entre 100 e 150 quilos, considerando edificações executadas por processos convencionais. A Serello Ambiental terá capacidade para receber diariamente cerca de 100 a 200 caçambas, o equivalente a 500 a 1.000 toneladas de resíduos, dependendo do tipo de material coletado.
???Nossa operação de recebimento envolve as duas classes de entulho: tanto o material cinza, como por exemplo, blocos, colunas de sustentação e lajes, como material vermelho, a exemplo de tijolos, blocos cerâmicos e telhas. Trabalhamos também com o beneficiamento da madeira, como tapumes, madeirites, pontaletes e pallets para a fabricação de cavacos de madeira para aplicação como biomassa na indústria em fornos e caldeiras???, esclarece Cossiello.
Plantio de árvores e apoio estadual
 Além de tratar dos resíduos da construção civil, os sócios realizaram o plantio de mais de 700 mudas de espécies nativas na bacia hidrográfica do PCJ e mais 160 na própria área da usina.
O investimento total do projeto foi de cerca de R$12 milhões com a geração inicial de 15 novos postos de trabalho. O projeto é apoiado pela Investe São Paulo, agência de promoção de investimentos ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo, que valoriza a gestão responsável de resíduos sólidos, uma das prioridades do governo paulista.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE