Edit

Como o mercado financeiro reage a criptomoeda

O que começou como uma brincadeira dá sinais de que tornou-se coisa séria. A criptomoeda Shiba Inu (SHIB), criada como uma espécie de “derivação” da Dogecoin (DOGE), ganhou destaque no mercado após passar por uma alta valorização, em outubro, e desbancar ativos conhecidos no ranking das criptos.

Desde então, a altcoin tem despertado a curiosidade e o interesse de investidores, que passaram a enxergá-la como uma possibilidade de ganhar dinheiro. Idealizada em 2020, a SHIB faz referência à raça canina japonesa Shiba Inu, sendo ilustrada pela imagem de um cachorro da espécie.

As informações divulgadas sobre a sua origem afirmam que se trata de uma criptomoeda nascida de um meme, assim como a DOGE, lançada em 2013 como uma homenagem à cachorrinha Kabosu, que também é da raça Shiba Inu. É daí que viria a relação entre as duas “cripto-memes”.

O fato é que a brincadeira ficou séria quando o volume de negociações da SHIB disparou quase 400%, a princípio, sem um motivo aparente. O crescimento teria sido motivado pela curiosidade em relação ao ativo, que chegou a ser um dos tópicos mais comentados no Twitter com a hashtag  #SHIBARMY.

Vale a pena investir?

A SHIB é habilitada dentro do blockchain Ethereum e, de acordo com as informações do mercado financeiro, mostra-se como uma alternativa aos pequenos investidores por conta do valor mais acessível para o investimento.

A valorização repentina atraiu muitos interessados, mas, para os especialistas, este é um ponto que exige atenção. Afinal, uma disparada de preços motivada, aparentemente, pela especulação do mercado pode ser sucedida por queda, que já tem acontecido no mês de novembro.

Assim como qualquer investimento, é recomendável avaliar os riscos, a liquidez e a rentabilidade. No primeiro caso, a SHIB, por ser uma criptomoeda, é um ativo mais arriscado, indicado para investidores com perfil arrojado. Já a liquidez e a rentabilidade variam de acordo com a demanda.

Para quem tem interesse no assunto, uma orientação é buscar informações com a Hashdex Criptoativos, gestora brasileira focada em ativos virtuais.

Uma vez identificada a compatibilidade de perfil, interesse e objetivos do investidor, as operações com criptomoedas podem ser uma alternativa para a diversificação da carteira de investimentos. A orientação é buscar o equilíbrio na alocação dos recursos, distribuindo o dinheiro a ser investido entre ativos mais seguros e outros mais arrojados, com diferentes prazos de resgate, como uma forma de minimizar os riscos de perda e aumentar a lucratividade.

Atenção aos golpes

Se por um lado a reação do mercado à SHIB atraiu um número maior de investidores, por outro, colocou a criptomoeda no radar dos golpistas. Em novembro, a equipe responsável pela altcoin emitiu um comunicado alertando sobre golpes envolvendo a moeda.

De acordo com a nota, os criminosos têm enganado investidores, solicitando pequenas quantias em dinheiro, afirmando que essas transferências irão garantir bônus e presentes. Outro método aplicado pelos golpistas foi a criação de um grupo falso na rede social Telegram se passando como uma comunidade oficial da SHIB.

A orientação da equipe responsável pela SHIB é que os investidores fiquem atentos, pois não há promoções que deem bônus ou presentes. Outro alerta é que as pessoas não compartilhem as chaves da carteira.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE