Coden aperta cerco aos nadadores ‘malandros’

O atual período do Verão tem sido marcado por temperaturas bastante altas, mais que a média anual registrada nos últimos anos. A situação traz junto a vontade de muitas pessoas em se refrescar em lagoas e rios, mas muitas vezes em locais proibidos. Em Nova Odessa, algumas das represas de abastecimento do município costumam ser alvo de recreação e lazer, algo totalmente ilegal. Nem mesmo a captura de um jacaré recentemente pela Defesa Civil tem afugentado os banhistas dos locais.
A Coden (Companhia de Desenvolvimento de Nova Odessa), responsável pelos serviços de água, esgoto e coleta de lixo no município, tem reforçado a instalação de placas, barreiras e valas para impedir o acesso aos locais, além de orientar para o risco de afogamentos. Como é um período de férias escolares e de trabalho para muita gente, costuma aumentar a frequência de pessoas.
As Represas Recanto 1, 2 e 3, assim como a Lopes 1 e 2, não foram projetadas para receber banhistas. Por este motivo, o acesso às margens é restrito a funcionários da Coden e da Prefeitura. “Os mananciais foram feitos somente para a reservação de água bruta, que é tratada para o abastecimento da população novaodessense”, explica o diretor-presidente da Coden, Ricardo Ongaro.
A presença de pessoas em APPs (Áreas de Preservação Permanente) realizando qualquer tipo de veraneio pode trazer sujeira para a água e danos ao meio ambiente, protegido das matas ciliares em fase de reconstituição. “Mas apesar das cercas, de placas de proibição e dos diversos alertas feitos nos últimos anos pela Coden, alguns ainda insistem em utilizar indevidamente os reservatórios”, diz Ongaro.
Barreiras ??? O dirigente frisa que não pode instalar barreiras que impeçam totalmente o acesso de veículos porque é necessária a manutenção no entorno das represas, onde existem árvores que ajudam a proteger os mananciais, formando um ‘cinturão verde’. “E não é algo simples retirar as pessoas dos locais. A Coden não tem ‘poder de polícia’. Dependemos de acionar as corporações oficiais para tal”, cita.
A Companhia reforça o alerta de que, além dos riscos à vida, pelas represas serem profundas e cheias de vegetação submersa, tais cidadãos também estão praticando conduta lesiva ao meio ambiente, prevista na Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal nº 9.605/98). Ao nadar nas represas e sujar esses locais, as pessoas estão sujeitas a diversas penalidades, desde multa até detenção.
Também existem normas do novo Código Florestal (Lei Federal 12.651/2012), ao invadir as APPs. Nas represas, essas áreas correspondem a uma faixa de 50 metros contados a partir das margens, em todas as direções. Há ainda o crime de dano ao patrimônio público, cometido por quem corta as cercas instaladas pela Coden para ter acesso às margens dos mananciais.
E quem for flagrado ainda pode ser autuado por invasão de propriedade, uma vez que as áreas adjacentes às represas são quase todas particulares. Para todos os casos, a autuação e a prisão em flagrante podem ser feitas pela Polícia Militar, Polícia Militar Ambiental e a Guarda Civil Municipal. A Coden ou qualquer cidadão que flagrar a situação pode solicitar a presença das corporações policiais para ações de combate.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE