Cocato revela mágoas ao deixar ninho tucano em Nova Odessa

Um dos principais nomes do grupo liderado pelo PSDB em Nova Odessa, Vanderlei Cocato recentemente deixou o DEM e se filiou ao PSL (Partido Social Liberal), inclusive assumindo a presidência local. Esta semana ele concedeu entrevistas à TV WA Notícias e o portal Nova Voz, nas quais abordou diversos aspectos envolvendo a trajetória política e sua saída.

 

“Pensei muito e sou grato às oportunidades dadas pelo prefeito Bill em quase 18 anos”, destacou. Chefe de Gabinete da Prefeitura por quatro anos e secretário de Saúde em igual período, ele não fez críticas ao ex-prefeito, mas revelou mágoas com o grupo. “Vi indiretas em redes sociais e em entrevistas. Não é o que vou fazer, porque não é o meu perfil”, ponderou.

 

Muito eloquente, Cocato revelou que havia “fogo-amigo” dentro da Prefeitura e do sistema de saúde. Segundo ele, pessoas do próprio governo conspiravam e isso complicava o árduo trabalho de gerir a Saúde Municipal durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Sendo assim, não encontrou espaço mais no ninho tucano por ver muita “falsidade”.

 

“Isso foi exatamente o que me fez tomar a decisão de sair de lá. Essas pessoas que me atacavam se escondiam. Batiam e escondiam a mão. Só que agora estão dando mais a cara a tapa”, pontua. “Chega o momento em que você não se vê mais dentro daquilo ali, devido a isso. Tinha muita falsidade e foi acumulando por muito tempo”, acrescenta.

 

Ao longo dos anos, Cocato era um dos principais pilares que ajudaram a estruturar o grupo que levou Bill a governar a cidade. Tudo se iniciou com um destacado trabalho na Juventude Tucana (JPSDB). Inclusive era cogitado como um dos possíveis concorrentes a suceder o ex-prefeito, mas acabou preterido pelo médico Dr. Lourenço e o vice Vagner Barilon.

 

Além de negar a pecha de ‘traidor’ e ‘ingrato’, Cocato afirma que mantém contato com o deputado federal Júnior Bozzella (PSL), de Santos, que deve trazer recursos ao município. “Não somos contra quem está no governo ou quem deixou. Queremos somar com a cidade de Nova Odessa”, ressalta. O presidente diz que vai estruturar os segmentos de jovens e mulheres.

 

“A ideia é montar um time e, dentro desse partido, ter pessoas onde todos possam falar e participar. Serem ouvidos e não receber uma única ordem, ou de dois ou três apenas”, alfineta Cocato. O recado, evidente, foi para ‘caciques’ locais e regionais. O dirigente do PSL garante que o projeto é ter candidato a deputado em 2022, além de vereadores e prefeito em 2024.

 

Cocato não descartou possíveis alianças futuras com o prefeito Leitinho ou o próprio Bill, mas garantiu que a possibilidade “não se discute no momento”. Parece pouco provável a reaproximação com os tucanos, porque o PSL é o partido pelo qual se elegeu o presidente Jair Bolsonaro e que ainda tem muitos vereadores, deputados estaduais, deputados federais e senadores.

 

A possibilidade de uma união tende a ser remota, devido aos caminhos adotados pelo governador João Doria (PSDB), que tem polarizado uma disputa pública com Bolsonaro. Cocato, Bill e os tucanos estavam juntos pelo ‘BolsoDoria’ no segundo turno presidencial de 2018, mas agora é impensado que voltem a se unir no futuro próximo por meio destas siglas.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE