Cinema e a Visão crítica da China

Se você está preparado para ver uma China em que os idosos são maltratados, as escolas de periferia são dominadas por gangues e a mulher é tratada como subalterna e objeto sexual, veja o filme “Um elefante sentado quieto”, talvez um dos mais importantes da recente produção daquele país.

A história é baseada em texto do próprio diretor, Hu Bo, autor do romance “Huge Crack”, de 2017. Logo após terminar o filme, naquele mesmo ano, cometeu suicídio, aos 29 anos. No filme, a vida é comparada, de maneira recorrente, a um terreno baldio e a um depósito de lixo. A utopia para onde os personagens buscam fugir é uma cidade onde um elefante ficaria sentado quieto num circo.
Os três protagonistas têm narrativas de dor e solidão. Um idoso de 60 anos sofre porque os pais, para dar maior conformo à família, querem colocá-lo num asilo. Um adolescente mata um colega de sala para defender um amigo que sofria bullying; e a moça por quem se apaixona tem um caso com vice-diretor da instituição. E ainda temos o irmão do rapaz morto, que se considera responsável pelo suicídio de um amigo, que o pegou em flagrante com a esposa.
A existência para todos é vista como um fardo sem esperança. Como diz o idoso, a única vantagem de ter a possibilidade de ir para outro lugar é a decisão de não ir, pois assim a chama da vida pelo menos se mantém acesa, com uma esperança que não será perdida, pois simplesmente se mantém como perspectiva. Por tudo isso, Com diversos prêmios internacionais e quatro horas de duração, o filme é simplesmente imperdível. Sofrido, mas indispensável.  
Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE