Choco decreta estado de emergência na Saúde

O prefeito de Americana, Paulo Chocolate (PSC), decretou estado de emergência na área da saúde, situação que dá condições legais para que se faça uma auditoria nas contas da pasta. O principal objetivo é equacionar irregularidades administrativas e equalizar dívidas. “A auditoria envolverá vários expedientes adotados até o momento, como contratações, dispensa de licitações, retirada de recursos de contas de convênios federais, folha de pagamento e horas extras, entre outros”, afirmou o prefeito.
 Com o decreto, a Prefeitura tem condições de criar uma comissão de sindicância responsável por apontar eventuais irregularidade que surjam durante as investigações. O estado de emergência focará, principalmente, os vínculos empregatícios de institutos coligados à Saúde, como Fusame, Hospital Infantil André Luiz e postos de saúde periféricos administrados pelo Instituto RPS (antigo SAS). A intenção é de que esses funcionários sejam absorvidos, gradativamente, por uma empresa de RH que será contratada pela Prefeitura em caráter emergencial. “O primeiro passo é absorver os funcionários que ganhem um salário de até R$ 1.500,00. Numa segunda etapa, os que ganham de R$ 1.500 a R$ 3 mil;  e depois, aqueles que ganham acima disso”, detalhou Chocolate. Inicialmente, o estado de emergência está previsto para durar seis meses. Mas, com o andamento dos trabalhos, esse período poderá ser menor.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE