Celular lidera reclamações no Procon

Entre 1º de agosto e 16 de outubro, o Procon de Americana recebeu 66 reclamações contra as operadoras de telefonia móvel, primeiro lugar no ranking das queixas. As principais reclamações dos clientes são a cobrança indevida de serviços e a cobrança de promoções não autorizada. Em segundo lugar está a telefonia fixa.

O aposentado Antonio Luis Ribeiro, morador do Centro da cidade, foi uma das pessoas que precisou recorrer ao órgão municipal depois de não ter seu problema solucionado com a operadora do celular. “O valor da minha conta estava vindo a mais e, além disso, sempre acabava a internet antes do tempo. Quando fui ver, meu celular estava registrando em serviços que eu não havia me inscrito ou autorizado”, disse Antonio.
De acordo com o aposentado, ele procurou a loja da operadora e foi orientado pelos funcionários a resolver o problema por telefone. “Não tive êxito, já que me passavam de um ramal para o outro. Isso é um desrespeito com o consumidor”, comentou. Foi então que resolveu procurar o Procon de Americana. “Em menos de três dias meu problema estava resolvido. Eu parabenizo a equipe do Procon pelo bom atendimento e agilidade no serviço”, finalizou Antonio. Além de ter o dinheiro ressarcido pela empresa, a mensalidade do mês de outubro foi cancelada.
Para evitar problemas como este, o órgão municipal orienta o consumidor a sempre prestar atenção na conta do telefone móvel ou nos créditos inseridos para, caso precisar, reclamar junto ao Procon, que fica localizado na Prefeitura de Americana.
Para registrar a reclamação, é necessário levar a fatura da conta do celular ou comprovante de recarga que deseja protestar, o número de protocolo da reclamação já feita com a empresa e documentos pessoais (RG e CPF). Depois de registrada a contestação pelo consumidor, o Procon envia notificação à empresa, que tem até 30 dias para resolver o problema com o cliente, e avisar ao órgão municipal sobre a resolução. Quando não há acordo entre empresa e consumidor, o reclamante pode recorrer ao Juizado Especial Cível da cidade.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE