Caso Padre Leandro traz produtores dos EUA a Americana

O caso dos padres Pedro Leandro Ricardo, de Americana, Carlos “Batatinha”, de Araras e bispo Vilson Dias de Oliveira serão retratados em episódios da nova série documental produzida por J.T. Barnett, produtor norte americano responsável por obras de grande sucesso como a série “A Máfia dos Tigres”, da Netflix e o programa de TV “Cheaters”.

O padre Leandro começou a ser julgado este mês em Araras.

Barnett filmará em Americana nesta quarta-feira (30/06) com vítimas e testemunhas dos supostos casos de abuso sexuais de padre Pedro Leandro Ricardo, cujo julgamento está em andamento desde o dia 8 de junho, com previsão de término em julho. As filmagens são parte de dois projetos: “Modus Operandi” e “Trauma Positivo”, ambas séries documentais que terão como protagonista o jornalista investigativo Giulio Ferrari. As gravações iniciaram em fevereiro, em Dallas, e as séries serão oferecidas para produção de serviços de streaming, como a Netflix e a Amazon.

O paranaense Giulio, radicado nos EUA, é um ativista contra abusos sexuais e ficou famoso após sua participação nas investigações de João de Deus junto a equipe do Pedro Bial e Fantástico.  Usando do momentum, criou o programa “Chega de Abuso”, onde expõe casos de abusos sexuais seriais nas principais redes sociais. Foi assim que padre Leandro se tornou um “personagem” recorrente nas lives de Giulio; não só ele mas vários outros padres da Diocese de Limeira.

J.T. Barnett ainda entrevistará no Brasil agentes da polícia federal e o secretário de segurança pública do Estado de São Paulo, além de advogados de Curitiba, onde vai relatar o caso de abuso sexual do qual foi vítima o próprio Giulio.

 

SAMUEL MONTANA

Junto com Barnett e sua equipe, virá para Americana também o ex-agente especial Samuel Montana, aposentado do “Homeland Security” – a entidade governamental mais alta de segurança pública no país, uma polícia com poder de ministério.  Com 25 anos de atuação dentro e fora dos Estados Unidos, serviu em 14 países inclusive no Brasil (que diz ter sido seu favorito), Samuel é referencial quando se trata de investigações criminais. Quase um 007 Norte-Americano, Sam investigou grandes casos de tráfico humano internacional, e ajudou a derrubar grandes esquemas ligados a perigosos carteis internacionais. Ele viveu quatro anos no Brasil como adido diplomático, onde conheceu e casou-se com uma brasileira.

“Fui gestor do programa nacional para o crime transnacional e divisão de segurança pública na sede da segurança nacional. Eu não queria me tornar oficialmente um agente secreto, então o que eu fazia eram ‘participações especiais’. Em relação ao Giulio Ferrari, fiz o que sempre faço! O investiguei a fundo. É uma pessoa de sucesso, e apesar do background de abusos que enfrentou, é bom pai, um excelente marido e quer contribuir para sua comunidade. Sua luta é legítima e queremos registrar para a posteridade no documentário, sob uma abordagem e perspectiva de investigação”, explica Montana no vídeo de promo de uma das séries de Ferrari:

https://www.youtube.com/watch?v=4yxYW4ZGsng

 

MODUS OPERANDI E TRAUMA POSITIVO

A série Modus Operandi divide o título com a série de livros de Ferrari, baseados nas investigações do jornalista investigativo.  Nesta série, Giulio aborda os crimes como um perfilador criminal: mostrando como funciona seu protocolo científico IDVICS – o primeiro protocolo forense do mundo criado para identificar, expor, e trazer à justiça abusadores em série.  Em todos os episódios, o entrevistador convida experts de diversas áreas, como psicologos forense e investigadores profissionais como Sam Montana.

Já com “Trauma Positivo”, o título do documentário representa a busca de Ferrari por “juntar os cacos” de suas experiências traumáticas ao longo da vida em um legado positivo para sua família e comunidade.

“Sou um sobrevivente. Por 20 anos, fui uma vítima. Vítima de abuso sexual infantil, servidão por contrato, vítima de racismo. Após tudo isso, criei o primeiro protocolo mundial para identificar, expor e levar à Justiça abusadores seriais. Um protocolo científico. Hoje, consigo ajudar pessoas que foram abusadas a se curarem de seus traumas. Tentamos ajudá-los a perceber que sobrevivência e aceitação andam de mãos dadas”, afirma Ferrari.

Bispo ex-S Judas Americana detona Bolsonaro e vira alvo de conservadores

“O modus operandi por trás de líderes religiosos, padres, pastores, médiuns e afins, que usam sua posição de poder para manipular e envolver sexualmente seus seguidores em suas vidas, são de pessoas que sempre se enquadram como ‘psicopatas da tríade obscura’, que mesclam narcisismo, maquiavelismo e psicopatia, como é o caso de Leandro Ricardo, que expus em minhas lives”, detalha Giulio.

A respeito do caso do padre Pedro Leandro Ricardo, Giulio relata que “o modus operandi de Leandro Ricardo não é diferente de todos os abusadores em série que tenho investigado dentro e fora da igreja Católica. Aproveitam-se de garotos e garotas em sua maioria pobres ou com problemas familiares. Expus esse e outros casos, como do padre Felipe Negro e estou convicto de ter ajudado vítimas e testemunhas que não tiveram um canal apropriado para denunciar. Isso e muito mais será detalhado na minha série documental”

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE