Caso Henry Borel: O casamento da psicopatia com o narcisismo perverso

Na última semana o Brasil foi surpreendido com mais uma história de dor e comoção, com a morte do pequeno Henry Borel, de quatro anos. Uma tragédia com mais dois personagens investigados como suspeitos do crime: a mãe de Henry e o padrasto do menino. Muitos se perguntam porque tanta crueldade. E o que chama a atenção é a frieza com que os fatos se deram, além do comportamento apresentado pela mãe e pelo padrasto. Traçando um perfil psicológico dos dois, diante do que tem sido noticiado, podemos ver que a união de traços de psicopatia do padrasto com sinais de narcisismo perverso da mãe pode ter sido determinante para o desfecho trágico dessa história.

A psicopatia é mais comum do que se pensa. Infelizmente, os psicopatas vivem entre nós e essa identificação não é muito simples. Estudos estatísticos demonstram que o transtorno possui níveis de intensidade e que, de cada 100 pessoas, em torno de 04 a 05 podem apresentar sintomas característicos ao distúrbio.

Os psicopatas se apresentam, na maioria dos casos, como simpáticos e amáveis. São sempre cativantes e, muitas vezes, prestativos. A sedução é uma das características marcantes deste personagem. Também são inteligentes e sábios. O lado negativo fica por conta da frieza e dos cálculos estrategistas diante das situações, pois não sentem culpa alguma. Além disso, o remorso não faz parte de seu rol de sentimentos. Psicanaliticamente falando, possuem uma predominância da instância psíquica de personalidade ID, o que explica o modo de vida voltado, único e exclusivamente para seu prazer pessoal e para o atingimento de seus objetivos e metas. Não importa o que o outro sente ou quer, importa o que eu desejo – essa é a bandeira que um psicopata empunha.

A psicopatia é muitas vezes confundida com um transtorno de conduta. O diagnóstico final que decreta afetações do transtorno relata disfunções neurológicas associadas a um conjunto de sentimentos influenciados por crenças limitantes natas ou aprendidas ao longo da vida. Os primeiros sinais podem aparecer ainda quando criança, em um grau mais leve e moderado. Por isso, é muito importante um acompanhamento profissional de perto quando se identificar qualquer indício de alteração comportamental motivado por perversidades e frieza. Um psicopata, quando criança, apresenta algumas características muito peculiares como: mentiras frequentes, dificuldade em seguir regras, são antissociais, insensibilidade emocional, conturbações ao tentar manter amizades, praticam bullying e até podem vir a cometer pequenos delitos transgressores, como roubos, violências e vandalismos. Mas cuidado, o diagnóstico final que decreta que a pessoa pode ser um psicopata ou não, para ser realmente finalizado com êxito, pauta-se na ancoragem de intensidade e frequência com que esses episódios e comportamentos acontecem. O mais comum é que, por serem muito inteligentes e inquietos quanto à busca por conhecimento, a grande maioria dos psicopatas têm ciência das características do seu posicionamento destoante dentro da sociedade e, com isso, camuflam seus reais sentimentos e ações – o que causa grande dificuldade na definição do distúrbio.

Visto que existem diferentes graus de psicopatia, que variam desde os mais leves, moderados e até os graves, podemos afirmar que nem todos chegam a se tornar assassinos. Podem desempenhar papéis de destaque em seu meio social e usar de algum poder conferido a eles para praticar delitos com total frieza emocional que, em muitos casos, chegam a impressionar. Podendo também ser autores de fraudes, golpes, estelionatos e roubos.

Os psicopatas podem, ainda, mostrar uma faceta carregada de sinais que demonstram que o distúrbio da psicopatia é latente. São eles: egocentrismo; mentiras; trapaças e manipulações; ausência de culpa, remorso e empatia; observação constante ao comportamento do outro, analisando os passos de suas vítimas; alterações severas de humor, com ataques de agressividade; podem ser superficiais e eloquentes; estão sempre envolvendo emocionalmente as pessoas que se encontram vulneráveis; vivem a elogiar todos e a perfeição faz parte de seus objetivos. Porém, os psicopatas nunca buscam ajuda porque não se sentem incomodados com suas ações. São desprovidos de sentimentos e mudar não está nunca em seus planos.

Analisando o perfil da mãe do pequeno Henry, podemos identificar indícios claros de desenvolvimento de uma personalidade de natureza narcísica perversa, onde a maior preocupação é consigo mesma. Pessoas que apresentam esse distúrbio estão sempre em busca da perfeição estética, afinal manter uma máscara sedutora para a sociedade é o mais importante. O foco está sempre voltado para as aparências, onde o excesso de vaidade prevalece em detrimento da empatia e compaixão pelo outro. Não conseguem fazer muitos vínculos emocionais e uma pitada de egoísmo está sempre presente em seu caráter perturbador.Esse perfil narcísico, normalmente, não consegue se abalar com o luto. E isso ficou claro, na história triste e dramática do filho, vítima de maus tratos e agressões.

A junção destas duas personalidades doentias, certamente, foi o estopim determinante na morte trágica da criança de quatro anos. A busca por poder e status percebida em ambos personagens descritos aqui, padrasto e mãe, associada a todas as características de desvios de conduta e de transtornos, foram fatores cruciais que completam essa receita desastrosa que culminou na morte de uma criança indefesa, vulnerável e sofrida.

Portanto, o casamento do narcísico e do psicopata pode potencializar a perversidade severa que irá rejeitar a presença de um terceiro personagem. Provavelmente, motivo que levou às práticas de maus-tratos, com o intuito consciente e velado de eliminar um obstáculo: o menino. O casal, motivado por seus sintomas transgressores, não conseguiam transmitir afeto e amor para a criança. Visto que a sedução doentia e aparente da mãe e o papel forçado de bom moço e bom político do padrasto misturou-se com a perversidade e frieza requintada presentes no crime. Enfim, se nem tudo que reluz é ouro, fica claro que todo o cuidado é pouco no quesito relacionamentos. O charme e a inteligência utilizados para impressionar e seduzir o outro podem ser ingredientes bombásticos. Neste caso, a ausência de sentimentos denuncia os fatos e, infelizmente, Henry foi vítima do lado sombrio da mente de pessoas que deveriam apenas proteger e amar.

Dra Andréa Ladislau Psicanalista * Doutora em Psicanálise * Membro da Academia Fluminense de Letras – cadeira de numero 15 de Ciências Sociais

* Administradora Hospitalar e Gestão em Saúde

* Pós Graduada em Psicopedagogia e Inclusão Social

* Professora na Graduação em Psicanálise

* Embaixadora e Diplomata In The World Academy of Human Sciences US Ambassador In Niterói

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE