Edit

Câncer de mama. Roda de conversa tira dúvidas em Nova Odessa

Na última quarta-feira (27/10), o CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) da Prefeitura de Nova Odessa, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, promoveu uma roda de conversa sobre os mitos e verdade sobre os cânceres de mama e de colo de útero, para cerca de 30 mulheres atendidas pelo Centro.

 

A conversa foi com a enfermeira Maria Edênia Castro Santana, do Projeto “Linha Rosa” da Rede Municipal de Saúde, e a voluntária (e também enfermeira) Sueli Raso, que atenderam a um convite da coordenadora do Centro, Roseli Morais.

 

“Fizemos uma dinâmica sobre mitos e verdades sobre o câncer de mama e de colo do útero. A Roseli fez uma ‘ponte’ entre a Unidade de Saúde mais próxima (a UBS 5) e as mulheres atendidas no CRAS, para encaminhá-las para atendimento e, eventualmente, para o agendamento de exames de mamografia e papanicolau daquelas mulheres que se encontravam dentro dos critérios”, explicou Sueli.

 

A enfermeira voluntária lembrou que mulheres de 50 a 69 anos de idade devem realizar mamografias a cada dois anos, e que mulheres de 25 a 64 anos de idade devem realizar exame de papanicolau a cada 3 anos (depois de dois exames anuais consecutivos e normais).

 

“Ressaltamos, na conversa, a importância de a mulher ter autonomia sobre o seu autocuidado, procurando para fazer os exames e também recebendo o ‘feedback’ (resposta) dos resultados desse. E os enfermeiros têm competência técnica, científica e legal para solicitar os exames de rastreamento desses cânceres”, acrescentou Maria Edênia.

 

“O objetivo é conscientizar para os exames de rastreamento da doença, o autocuidado, bem como empoderar as participantes sobre o assunto para serem multiplicadoras nas suas comunidades”, completou Sueli Raso – que também participou da preparação da programação da Secretaria Municipal de Saúde dentro do “Outubro Rosa”.

 

Segundo Roseli Morais, 13 mulheres atendiam aos critérios para fazer os exames de mamografia e coleta de material do colo de útero e, por isso, foram encaminhadas imediatamente para a Unidade Básica de Saúde 5. “Quero expressar minha gratidão também ao acolhimento e à pareceria com a equipe de coordenadora Dinalva Cassimiro, da UBS 5, além das nossas enfermeiras palestras”, declarou a coordenadora.

 

‘LINHA ROSA’

 

Desde julho, o novo Projeto “Linha de Cuidado da Mulher com Câncer de Mama”, ou simplesmente “Linha Rosa”, promove a “aceleração” do fluxo de atendimento das pacientes com suspeita ou diagnóstico de câncer de mama dentro da Rede Municipal de Saúde, garantindo que elas sejam atendidas mais rapidamente por médico oncologista e, se for o caso, encaminhadas em menor tempo para tratamento em um centro especializado, aumentando assim as chances de cura.

 

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Mas cerca de 95% dos casos de câncer de mama diagnosticados no início têm chance de cura. O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura e de um tratamento menos agressivo, além de ser a melhor forma de evitar que a doença se espalhe.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE