Câmara debate regulamentação de comércio ambulante em Sumaré

A Câmara Municipal de Sumaré deve debater, em breve, a regulamentação da atividade de comércio e prestação de serviços ambulantes nas vias da cidade. De autoria do vereador Hélio Silva (Cidadania), o Projeto de Lei nº 119/2020, que disciplina esse ramo da atividade econômica no município, foi protocolado nesta terça-feira (30). Para ser colocada em votação, a propositura precisa passar pelas comissões internas do Legislativo Municipal.

O PL considera como ambulante a pessoa física, civilmente capaz, que exerça atividade lícita de venda a varejo de mercadorias, por conta própria, em vias e logradouros públicos, portando a devida autorização, administrativa e precária, com prazo predeterminado de validade e possuindo dois anos de domicílio eleitoral na cidade.

“É importante afirmar que comércio ambulante não é sinônimo de informalidade. O objetivo do nosso projeto é justamente permitir a regulamentação e organização deste tipo de comércio em nosso município. É preciso incentivar os ambulantes e camelôs a saírem da informalidade, para que possam usufruir de todos os benefícios de um trabalhador autônomo”, defende o autor da proposta, vereador Hélio Silva.

O ambulante que estiver registrado como Microempreendedor Individual (MEI), de acordo com a Lei do Simples Nacional, terá prioridade para a concessão do direito de exploração do espaço público. Neste caso, ele fica dispensado de emissão da nota fiscal em caso de venda de mercadorias para pessoa física e fica isento de qualquer cobrança feita pela Prefeitura de Sumaré para a utilização do espaço urbano.

Conforme o Projeto de Lei, o Poder Executivo Municipal emitirá dois tipos de autorizações para a exploração do espaço urbano por ambulantes: Alvará Provisório de Funcionamento, que valerá para MEIs e terá validade de dois anos, sendo renovável; e Licença Provisória, para os ambulantes que não forem enquadrados como MEI, que terá validade de um ano, sendo renovável uma única vez.

Tanto o alvará quanto a licença devem estar sempre no local autorizado para a exploração comercial. Os documentos devem especificar o produto a ser comercializado em gêneros alimentícios; gêneros alimentícios industrializados; bebidas; vestuário; artigos de papelaria e brinquedos; trabalhos artísticos, artesanais e manuais; ou outros mediante aprovação da Prefeitura.

Será expressamente proibido ao ambulante a comercialização de medicamentos, refrescos e refrigerantes na forma fracionada, cigarros, produtos inflamáveis ou pirotécnicos e qualquer outro produto sem a devida origem de comprovação fiscal.

O comércio ambulante poderá ser exercido através de carrocinha, caixa a tiracolo, isopor ou similar, trailer, barraca, motorizado ou outro meio definido pela Prefeitura. Nenhum ambulante poderá emitir sinais sonoros para chamar atenção para a venda do seu produto.

O PL ainda regulamenta uma série de medidas de higiene e segurança que os ambulantes deverão adotar, especialmente os que comercializam alimentos. Também especifica penalidades para as infrações, casos nos quais os ambulantes podem ser punidos com notificação, apreensão da mercadoria e até a perda do alvará ou da licença.

A Prefeitura poderá remanejar os pontos de comércio ambulante, em qualquer momento, sendo o titular da licença ou do alvará comunicado no prazo mínimo de 60 dias.

Para ser colocado em votação no plenário da Câmara Municipal, o PL nº 119/2020 precisa tramitar nas comissões parlamentares do Legislativo.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE