Câmara Campinas divulga ‘Carta Aberta Contra o Racismo’

O Poder Legislativo de Campinas divulgou, neste domingo (07), durante os trabalhos da 95ª reunião extraordinária do ano, a “Carta Aberta Contra o Racismo”, uma iniciativa da Câmara a partir da proposta encaminhada pela Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania, presidida pelo vereador Carlão do PT.

Leia mais- Futebol debate racismo com ex-atletas

No texto, a Câmara Municipal de Campinas reforça que a sociedade estará unida e irmanada “na defesa de nosso Estado Democrático de Direito, forjado na liberdade, na diversidade de opiniões e na Constituição, externando neste ato nosso total e irrestrito apoio a todas as Instituições de nossa República, em todos os graus da Federação”.

A carta será endereçada a todos os parlamentares da Região Metropolitana de Campinas que desejarem assinar o documento. O documento está aberto a outros signatários que queiram assiná-lo, bastando para isso que a autoridades, instituições, entidades, vereadores, presidentes de partido, entre outros façam contato com o Legislativo campineiro. Confira a carta abaixo:

CARTA ABERTA CONTRA O RACISMO

Nós, Vereadores e Vereadoras que exercemos a função do Poder Legislativo na esfera Municipal da Região Metropolitana de Campinas (RMC), sem distinção de qualquer espécie ou natureza, ligados aqui pelo indissolúvel elo de cidadania em comum e na luta por igualdades de direitos;

Indignados com a ação letal da polícia dos Estados Unidos quando policial branco sufocando o homem negro George Floyd até a morte, reacende um sentimento alimentado por séculos de injustiça e violência contra os negros nos Estados Unidos. Os negros americanos dizem que estas cenas sempre aconteceram, mas agora são vistas por todos graças aos vídeos gravados por celulares. São imagens que se repetem;

Indignados com a grave pratica do Racismo instalada no Brasil, onde o Presidente da Fundação Cultural Palmares, a primeira instituição pública (1988) voltada para a promoção de uma política cultural igualitária e inclusiva e pela preservação dos valores culturais, históricos e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira, desconstrói e desvaloriza publicamente as lutas e conquistas desta população, chegando ao cúmulo de chamar o movimento negro de “escória maldita”, entre outros impropérios;

Indignados com a morte do menino João Pedro, vítima do confronto sistêmico pelos quais sofrem os moradores da periferia e favelas, atingidos por bala perdida e tantos outros meninos e meninas que foram alvo dessas “balas”, dentro de casa, na escola etc;

Cientes do atual e delicado cenário mundial agravado por odiosos atos e manifestações racistas e xenofóbicas;

Sentindo que os reflexos desta violência e racismo das forças de segurança podem influenciar nos estados e municípios;

E sabedores que a união da população, das instituições/entidades e a plena manutenção do Estado Democrático de Direito, com seus princípios e pilares, são fatores imprescindíveis para o exitoso enfrentamento dos desafios que se apresentam,

Atentos de que a realidade de violência e racismo não ter trégua nem durante o período da pandemia do coronavírus;

Sabedores que tem que haver um combate cotidiano contra a truculência e a letalidade policial;

Vimos tornar público que, independentemente e com irrestrito respeito às nossas respectivas individualidades, de que espécie ou natureza seja, permaneceremos unidos e irmanados na defesa de nosso Estado Democrático de Direito, forjado na liberdade, na diversidade de opiniões e na Constituição, externando neste ato nosso total e irrestrito apoio a todas as Instituições de nossa República, em todos os graus da Federação.

Serenamente, permaneceremos atentos e vigilantes e não admitiremos a ruptura da ordem constitucional vigente fora do ambiente e da liturgia democrática.

Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar. “Nelson Mandella”.

Campinas, 7 de Junho de 2020.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Siga-nos

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE